1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Recursos de aliados tentam retroceder processo contra Cunha

- Atualizado: 01 Fevereiro 2016 | 03h 01

Três requerimentos questionam condução de ação no Conselho de Ética; vice-presidente da Casa analisa hoje

Na volta aos trabalhos legislativos nesta semana, aliados do presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) apostam na análise de um recurso que tem potencial de fazer retroceder o processo por quebra de decoro parlamentar em trâmite no Conselho de Ética contra o peemedebista. O recurso foi protocolado pelo deputado Carlos Marun (PMDB-MS) e deve ser analisado hoje pelo vice-presidente da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA).

Se o recurso for deferido por Maranhão, a votação do parecer prévio é anulada e o processo volta à fase de discussão do relatório do relator Marcos Rogério (PDT-RO). Segundo a Secretaria Geral da Mesa Diretora, não caberá recurso da decisão de Maranhão. A orientação dos técnicos da Casa contraria a estratégia do presidente do Conselho José Carlos Araújo (PSD-BA), que já vislumbrava a possibilidade de apresentar recurso na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha

Ligado a Cunha, Waldir Maranhão tem histórico de favorecer o peemedebista em situações onde a Mesa Diretora é chamada a arbitrar. Foi dele a decisão monocrática de destituir o relator Fausto Pinato do caso. “Vou analisar as coisas com isenção. Não tem pressão”, respondeu Maranhão ao Broadcast Político.

Três recursos foram apresentados na Casa questionando a condução da ação disciplinar no colegiado, mais especificamente a não concessão de vista ao relatório preliminar do deputado Marcos Rogério, que pediu a continuidade do processo. No recurso encaminhado à Mesa Diretora, Marun pede a garantia de vista processual e que sejam declarados nulos “todos os atos eventualmente praticados após a negativa” da solicitação. “Não há razoabilidade em entender que o relatório do Marcos Rogério é o mesmo de Fausto Pinato (PRB-SP). Não há como não se garantir ao parlamentar direito a vista”, alega Marun.

Trâmites. Outros dois requerimentos aguardam a apreciação na CCJ: um também de autoria de Marun e outro da defesa de Cunha. Como Cunha pretende aguardar a manifestação do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a análise dos embargos de declaração do julgamento do rito do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff para depois autorizar a instalação das comissões permanentes na Casa, não há previsão de quando a CCJ se reunirá para apreciar os recursos. Caso Maranhão não conceda o pedido de Marun (o que não é esperado pelos aliados de Cunha), só a CCJ terá o poder de barrar ou retardar o processo contra o peemedebista. 

Deputados próximos de Cunha acusam o presidente do Conselho de errar propositalmente na condução do processo para favorecer o peemedebista. “Regimentalmente falando, o presidente (Araújo) errou mais uma vez. Ele estava imbuído no propósito de ajudar Eduardo Cunha”, comentou o deputado Manoel Júnior (PMDB-PB), suplente no Conselho e amigo de Cunha. Araújo nega as acusações.

O processo por quebra de decoro parlamentar contra Cunha voltará a tramitar no Conselho a partir de amanhã. O peemedebista terá oito dias úteis para encaminhar sua defesa ao colegiado. Investigado pela Operação Lava Jato, Cunha é acusado de manter contas secretas no exterior e de ter mentido sobre a existência delas. O peemedebista nega as acusações. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX