Moreira Mariz/Agência Senado
Moreira Mariz/Agência Senado

Randolfe pede ao Supremo que suspenda CPMI da JBS

Segundo senador, propósito da comissão é revanchismo contra membros do Ministério Público e do Judiciário pela Lava Jato

Thiago Faria, O Estado de S.Paulo

20 Setembro 2017 | 11h46

BRASÍLIA – O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) ajuizou nesta quarta-feira, 20, um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) em que pede a suspensão da CPMI da JBS no Congresso. Segundo ele, o propósito da comissão é o revanchismo contra membros do Ministério Público e do Judiciário.

"O suposto propósito desta CPMI seria travar uma disputa política da coalizão governista, fortemente abalada pelo conteúdo das colaborações e das evidências a elas anexadas, com o Sistema de Justiça", afirma Randolfe no pedido.

+++ Relator da CPMI da JBS admite convocar delatados, mas descarta ouvir Temer

Para justificar o mandado, o senador, que é um dos integrantes da CPMI, cita o fato de quase metade dos requerimentos apresentados até agora destinarem-se ao convite ou à convocação de membros do Ministério Público, ligados à Operação Lava-Jato. 

Randolfe também cita entrevista do relator da CPMI, deputado Carlos Marun (PMDB-MS), ao jornal O Globo, em que o peemedebista admite que o objetivo é "investigar quem nos investigou".

+++ 'CPI da JBS deve ouvir Rocha Loures e Aécio', diz presidente da comissão

No mandado, o senador pede que, caso a CPMI não seja suspensa, que ao menos seja impedida de examinar delações premiadas, "cuja análise cabe apenas ao Poder Judiciário e ao próprio Ministério Público, vetando-se a convocação de procuradores para seu constrangimento ilegal nesta CPMI".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.