Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Queremos transparência, afirma Alckmin sobre erro de IBGE em pesquisa

Política

Política

IBGE

Queremos transparência, afirma Alckmin sobre erro de IBGE em pesquisa

Ao comentar equívoco sobre funcionalismo, governador reconhece falha de sua secretaria e diz que vai checar por que foram enviados três versões diferentes dos dados; para dirigente tucano, falha do instituto foi 'grosseira'

0

Atualizado às 15h28,
Pedro Venceslau - O Estado de S. Paulo

14 Março 2014 | 11h52

São Paulo - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), reconheceu, nesta sexta-feira, 14, que sua gestão informou dados errados ao IBGE sobre cargos comissionados, mas ressaltou que em seguida as informações foram corrigidas. Ele também afirmou que o governo de São Paulo somente cobrou "transparência" por parte do IBGE, após o instituto divulgar uma pesquisa que atribuía à sua gestão um aumento de 90% do número de cargos comissionados no Estado. O governo rebateu os dados e disse que o crescimento real havia sido de 4%.

"Houve uma informação equivocada da Secretaria de Gestão, que depois foi corrigida. O IBGE errou, mas depois resolveu o problema. O que queríamos era transparência", afirmou Alckmin. Na pesquisa, divulgada nessa quinta, 13, o IBGE informou que, entre 2012 e 2013, os Estados criaram 10.386 cargos sem realizar concurso público. Desse total, quase 7 mil teriam sido criados em São Paulo.

A confusão ocorreu porque o governo paulista mudou os números de 2012 e o IBGE usou os dados antigos para fazer a comparação. De acordo com os dados paulistas, os comissionados em 2012 eram 13.805 e não 7.747, como apresentado no levantamento. Em relação a 2013, portanto, foram criados mais 926 cargos. Questionado sobre o fato de o governo ter enviado três versões diferentes dos dados para o instituto, Alckmin respondeu que vai "checar o que aconteceu".

O presidente do PSDB de São Paulo, deputado federal Duarte Nogueira, classificou o episódio como um "erro gigantesco" e criticou o IBGE. "É lamentável o IBGE, com tanta tradição e guardião das estatísticas, não fazer a rechecagem dos números antes de divulgá-los. Isso gera um constrangimento enorme", afirmou o deputado.

O dirigente afirmou, porém, não acreditar que o equívoco tenha motivações políticas. O IBGE é um órgão ligado ao Ministério do Planejamento, pasta do governo federal. "O que está havendo lá é uma baixa qualidade de gestão."

Em errata divulgada na tarde desta sexta, o IBGE corrigiu parte dos dados divulgados. Na referência às contratações de comissionados no País, no lugar do aumento de 9,9%, anteriormente informado, o instituto alterou a variação para 3,6%. Em nota, afirmou que nenhum outro Estado questionou a pesquisa.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.