1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

‘Queremos 2% do PIB obrigatoriamente para Forças Armadas’, diz Aldo

- Atualizado: 22 Fevereiro 2016 | 04h 00

O ministro da Defesa diz que o Brasil é, entre os BRICS e as nações da América Latina, o país que menos investe na área

Para Rebelo, é preciso renovar e ampliar esquadra
Para Rebelo, é preciso renovar e ampliar esquadra

BRASÍLIA - Apesar da crise econômica, em meio a anúncio de corte de gastos e promessas de mais restrições orçamentárias, o ministro da Defesa, Aldo Rebelo, diz, em entrevista ao Estado, que as Forças Armadas precisam ter verba carimbada do orçamento, a exemplo do que acontece com saúde e educação. Ele quer 2% do PIB, para que os projetos estratégicos de defesa do País não fiquem sujeitos à disponibilidade de verbas. Hoje esse porcentual é de 1,4% do PIB.

A falta de verba nas Forças Armadas está sendo considerada crítica pelos militares.

Em momentos de ajustes, todas as áreas do governo são atingidas pelos cortes e programas e projetos têm ritmo reduzido e os prazos aumentam. Projetos essenciais têm de ser preservados para não ameaçar nem a construção dos submarinos, a compra dos caças, o reequipamento do Exército e nem o sistema de vigilância de fronteira e cibernético. Outro desafio é de encontrar uma forma de financiamento da atividade de defesa que escape da sazonalidade de financiamento, como tem a educação e a saúde.

Qual seria a solução?

Queremos uma porcentagem do PIB da ordem de 2% destinada obrigatoriamente para a Forças Armadas, como acontece em países que consideram a agenda de defesa uma coisa importante e séria. Somos o país dos BRICS com menor porcentual do PIB para a defesa (a média dos países é de 2,31% do PIB e o Brasil 1,4%). Somos também o país com menor porcentual do PIB para defesa da América do Sul (a média é de 1,71%). Precisamos valorizar mais a nossa agenda de defesa. Essa valorização tem de ser convertida em recursos. Toda a nossa riqueza de petróleo está em áreas jurisdicionais, vulneráveis, expostas a riscos, e o comércio do Brasil é quase que totalmente feito pelo mar. Precisamos renovar nossa esquadra, precisamos de uma segunda esquadra e de fortalecer nossa presença na Amazônia.

As Forças Armadas são uma espécie de faz tudo. Isso não diminui o papel delas?

A atividade principal é a defesa do País mas, subsidiariamente elas ajudam em vários segmentos, seja no combate ao zika ou à seca. Em tom de brincadeira, se diz que as Forças Armadas hoje são uma espécie de Posto Ipiranga, onde tem de tudo e se faz de tudo, ou o canivete suíço da Pátria. Mas não pode perder nem a perspectiva nem o fato porque são homens e mulheres treinados para a defender o País e adestrados para a guerra. Nós não podemos nos desviar desta missão. As outras são subsidiárias.

A vitória de Leonardo Picciani como líder da bancada do PMDB na Câmara alivia o Planalto?

Fortalece as condições para o governo consolidar a sua maioria no Congresso e garantir a governabilidade. A vitória de um candidato que tem compromisso com a governabilidade, em um partido fundamental para a governabilidade, é uma boa notícia para o governo e para o País.

Mesmo com a quantidade de votos contrários, que mostraram a força de Eduardo Cunha?

A quantidade de votos contrários aponta que temos no Congresso uma oposição muito forte, capaz de opor resistência ao governo, mas que é minoria. O que importa é que o governo mostrou sua capacidade de construir a maioria. E o PMDB sempre foi dividido. Portanto, independentemente do governo, o PMDB sempre teve uma parte governista e uma independente.

E dá para aprovar a CPMF?

O governo está construindo maioria política no Congresso. Mobilizando e sensibilizando governadores e prefeitos e oferecendo alternativa de CPMF que seja transitória, com começo meio e fim, partilhada com os entes federativos, com destinação bem definida, sem possibilidade de desvio, é possível aprovar.

Cunha e a oposição ainda buscam o impeachment.

Esperamos que a disputa das eleições de 2014 seja definitivamente encerrada, que o campeonato seja de fato concluído e se aposente de vez o tapetão. Aquela eleição terminou. Eles que se preparem para a próxima, em 2018.

A ação que está no TSE contra a presidente pode reacender a discussão do impeachment?

Ela não tem consistência, não tem base para prosperar. É ação política do partido de oposição.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX