Quércia fazia política de 'fio de bigode', diz Goldman

O governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB), chegou no meio desta tarde ao velório do corpo do ex-governador e presidente do PMDB paulista Orestes Quércia, que ocorre no salão nobre do Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista. Goldman definiu Quércia como "alguém muito transparente". Para o governador, o peemedebista era "um homem muito aberto, falava o que pensava, cumpria compromissos. Sempre teve uma posição muito progressista".

FAUSTO MACEDO, Agência Estado

24 Dezembro 2010 | 16h10

Goldman comentou que Quércia fazia "uma política de fio de bigode, uma política antiga, mas séria, porque era uma política em que se cumpria as coisas. Você conversava, não precisava escrever e registrar em cartório". O governador lembrou que, em 1974, Quércia foi muito pressionado pelos militares. "Eu convivi dia a dia, noite a noite, com ele nesse episódio. Senti o drama das pressões sobre ele, das ameaças. E ele segurou firmemente, demonstrou uma têmpera realmente excepcional. Foi assim até os últimos dias da sua vida, nesse momento eleitoral pelo qual passamos agora", disse.

Quem também esteve no velório foi o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, José Antônio Barros Munhoz (PSDB), que afirmou que Quércia "foi um grande político". A pedido da família, o velório, que é aberto ao público até as 18 horas, tem música clássica como fundo musical.

Mais conteúdo sobre:
morte Quércia velório Goldman

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.