Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Quatro diretórios zonais do PSDB precisam fazer votação manual

Política

Quatro diretórios zonais do PSDB precisam fazer votação manual

Os locais de votação também se viram obrigados a montar um sistema paralelo de votações manuais para filiados do PSDB que chegaram nas seções com título de eleitor, mas que não constavam das listas de pessoas aptas a vota

0

Ana Fernandes,
Estadão

28 Fevereiro 2016 | 17h07

São Paulo - Filiados de quatro dos 58 diretórios zonais do PSDB na capital paulista tiveram que votar manualmente neste primeiro turno das prévias que definirão o candidato tucano à Prefeitura. Por falhas técnicas, os diretórios de Itaquera, Ermelino Matarazzo, Lapa e Grajaú não conseguiram usar o sistema eletrônico, que simula uma urna em notebooks.

Os locais de votação também se viram obrigados a montar um sistema paralelo de votações manuais para filiados do PSDB que chegaram nas seções com título de eleitor, mas que não constavam das listas de pessoas aptas a votar. Segundo relatos ouvidos pela reportagem, há casos de filiados antigos do partido que não atualizaram seus cadastros. A situação de cada um desses eleitores será checada para se decidir se seus votos poderão ser contabilizados.

Segundo a assessoria do diretório municipal do PSDB, a apuração deste primeiro turno terá de ser feita em três partes. A apuração eletrônica, que deverá abranger a maior parte dos votos, a apuração manual dos quatro diretórios que tiveram dificuldades técnicas e a apuração manual com análise dos casos de filiados que não estavam nas listas de votação.

A apuração dos votos computados eletronicamente deve ser divulgada por volta das 18 horas, de acordo com o PSDB municipal. A apuração acontece publicamente no auditório externo da Câmara de Vereadores.

Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral, o PSDB teria cerca de 27 mil candidatos aptos a votar, mas o cadastro tem problemas de atualização.

O vereador Andrea Matarazzo, o deputado federal Ricardo Tripoli e o empresário João Doria disputam a indicação do partido para concorrer à prefeitura da maior cidade do País. Se nenhum dos candidatos obtiver 50% mais um dos votos, haverá segundo turno em 20 de março. (Ana Fernandes - ana.fernandes@estadao.com)

Comentários