1. Usuário
Assine o Estadão
assine


PTB decide não indicar nomes para governo Dilma

ERICH DECAT, JOÃO DOMINGOS E TÂNIA MONTEIRO - Agência Estado

06 Fevereiro 2014 | 20h 29

Integrantes da Executiva Nacional do PTB decidiram nesta quinta-feira, 6, que não pretendem indicar nenhum nome para compor o governo da presidente Dilma Rousseff na reforma ministerial deste ano. A decisão ocorre um dia depois de o PMDB da Câmara se rebelar contra o Palácio do Planalto e em documento também tomar a mesma iniciativa de não querer indicar um nome para integrar a equipe do atual governo.

"O PTB abre mão da indicação. Não foi chamado oficialmente mas se for não vai indicar", disse o presidente nacional do PTB, Benito Gama. Na dança das cadeiras da Esplanada dos Ministérios, ele estava cotado para assumir o ministério do Turismo.

Segundo Benito Gama, a decisão foi tomada após consulta por telefone com outros integrantes da Executiva Nacional do PTB. Apesar de abrir mão da indicação, Gama afirma que a legenda continuará apoiando a candidatura à reeleição da presidente Dilma. Foi o segundo gesto de "desembarque" tomado por um partido da base aliada nas últimas 24h.

PMDB

Com a reforma ministerial paralisada por causa da rebelião dos deputados do PMDB, Dilma decidiu recorrer à ajuda de dois de seus gurus políticos para sair do impasse. Ela recebeu nesta quinta o primeiro deles, o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP); no início da semana que vem deverá conversar com seu padrinho Luiz Inácio Lula da Silva, que sempre lhe dá conselhos de como se portar com o PMDB.

Entre os peemedebistas chama a atenção o fato de Dilma só ter conversado sobre a reforma ministerial com o vice Michel Temer na segunda-feira, 3. Depois disso, os dois não se encontraram mais. A avaliação é a de que Dilma poderia estar aborrecida com Temer, por ele ter avalizado a decisão tomada pelo PMDB da Câmara na quinta, quando a bancada decidiu não mais indicar os substitutos dos ministros da Agricultura, Antônio Andrade, e do Turismo, Gastão Vieira, que vão sair para disputar as eleições.

Dilma contou a Sarney que não tem pressa para resolver a questão da reforma ministerial. E deste ouviu a ponderação para que tenha paciência com o PMDB, porque não haveria risco de um rompimento de relações da legenda com o governo. Apenas a pressão normal que a legenda sempre exerce. O líder do partido na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), disse ao Estado, no entanto, que o partido será fiel para evitar prejuízos fiscais e que, nos outros casos, verificará o que fazer. "Continuamos apoiando o governo, principalmente nos temas de impacto fiscal. Nos demais, a bancada decidirá cada tema, a cada semana, como sempre foi".