1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

PT no Rio ameaça retirar apoio a candidato de Paes se PMDB romper com Dilma

- Atualizado: 25 Março 2016 | 16h 39

Em vez de apoiar Pedro Paulo Carvalho, nome escolhido pelo prefeito do Rio, partido de Dilma poderia lançar o deputado federal Wadih Damous na disputa pela administração municipal

RIO - Se o PMDB-RJ votar pelo rompimento com o governo na reunião do diretório nacional do partido, o PT fluminense vai retirar o apoio ao candidato do prefeito Eduardo Paes (PMDB) nas eleições municipais do Rio, Pedro Paulo Carvalho. O alerta foi feito nesta sexta-feira, 25, pelo presidente do diretório do PT no Rio, Washington Quaquá.

A reunião do PMDB está marcada para a próxima terça-feira, 29. Líderes do diretório estadual do Rio anunciaram que a maior parte dos representantes fluminenses votará pela saída do governo. As exceções deverão ser apenas o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani, e o ministro de Ciência e Tecnologia, Celso Pansera.

O diretório estadual do PMDB no Rio tem 12 dos 119 integrantes do diretório nacional. O governador Luiz Fernando Pezão, em tratamento médico, o ex-governador Sérgio Cabral e Paes não irão à reunião e serão substituídos por suplentes. Entre os que votarão a favor do rompimento estão o presidente do PMDB-RJ, Jorge Picciani, pai de Leonardo, o ex-ministro Moreira Franco e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha.

Presidente estadual do PT do Rio de Janeiro e prefeito de Maricá, Washington Quaquá
Presidente estadual do PT do Rio de Janeiro e prefeito de Maricá, Washington Quaquá

Quaquá conversou nesta sexta-feira com o prefeito, aliado da presidente Dilma Rousseff, e disse ter ouvido de Paes que não sabia da decisão do PMDB fluminense de rompimento com o governo. “Espero que isso não se confirme. Temos aliança com o PMDB do Rio baseada na sustentação do governo Dilma e no projeto de Lula (ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva) candidato em 2018. Se a aliança do PMDB com Dilma for rompida, a aliança no Rio está rompida. Haverá uma ruptura e não será por nossa iniciativa”, afirmou o dirigente petista, também prefeito de Maricá.

A alternativa em discussão no PT é lançar o deputado Wadih Damous candidato a prefeito da capital. “Setores do partido já defendem o nome de Wadih. Nossa prioridade é manter a aliança com o PMDB, mas isso está vinculado ao quadro nacional”, afirmou Quaquá.

Petistas do Rio, como o senador Lindbergh Farias, já vinham discutindo a formação de uma dissidência, em oposição ao apoio do partido a Pedro Paulo, que é secretário municipal de Coordenação de Governo. A candidatura do secretário foi mantida, por decisão de Eduardo Paes, com aval do PMDB, mesmo depois de virem a público as agressões de Pedro Paulo à ex-mulher, Alexandra Marcondes, em 2008 e 2010. Deputado licenciado, Pedro Paulo responde a inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) por lesão corporal.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX