PT mineiro quer a presidente eleita Dilma longe de Aécio

O PT de Minas Gerais espera que o governo da presidente eleita Dilma Rousseff adote uma postura menos amistosa em relação ao ex-governador e senador eleito Aécio Neves (PSDB) e a gestão tucana no Estado. Em meio a um processo de mea culpa e reflexão sobre sua divisão interna, o PT mineiro quer que o diretório nacional e o futuro governo endossem a estratégia do diretório estadual, definida em resolução aprovada no fim de semana passado.

AE, Agência Estado

11 Dezembro 2010 | 10h15

"O que Minas quer construir, pactuado com a direção nacional, é que nós já escolhemos nosso adversário. Nosso adversário é o modelo que o Aécio está implantando em Minas com o (governador reeleito) Antonio Anastasia", disse ontem o presidente do PT mineiro, deputado Reginaldo Lopes.

No documento que trata das eleições deste ano e do futuro da legenda em Minas, o PT afirma que Aécio "se consolida como porta-voz do PSDB e líder da oposição neoliberal", cabendo ao diretório estadual o "contraponto primordial a esse projeto tucano". E ressalta: "Cabe ao DN (diretório nacional) e ao nosso governo federal o reconhecimento dessa condição estratégia de nosso Estado."

Para Lopes, desde a eleição de Lula não está clara a posição do governo Lula em relação a Aécio. Antes de tomar posse, o presidente prometeu tratar o tucano como um "governador do PT" e manteve com ele uma relação cordial. Em 2008, na disputa pela Prefeitura de Belo Horizonte, o ex-prefeito Fernando Pimentel - que será o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - firmou, com a bênção de Lula, uma polêmica aliança com Aécio para a eleição de Márcio Lacerda (PSB). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
PT Minas Gerais Aécio Neves Dilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.