Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política » PT ironiza cancelamento de camarotes em Recife

Política

PT ironiza cancelamento de camarotes em Recife

Sigla utilizou sua página oficial no Facebook para destacar insatisfação da população com os espaços vips durante as festividades

0

ANGELA LACERDA,
Agência Estado

27 Fevereiro 2014 | 17h50

Recife - O PT nacional usou sua página no Facebook para ironizar o ex-aliado e agora adversário político, o governador e presidenciável Eduardo Campos (PSB), diante da decisão do governo de Pernambuco e da prefeitura do Recife de cancelar os camarotes oficiais no bairro do Recife Antigo e no bloco Galo da Madrugada.

O anúncio foi feito a menos de uma semana do carnaval. "O governo de Pernambuco entrou numa saia justa para o carnaval", postou o partido na quarta-feira, 26, um dia depois do anúncio do cancelamento. "Argumentaram que o objetivo é reduzir custos, mas a história não é bem esta".

O PT observa que os pernambucanos fizeram, nas redes sociais, um grande movimento de contestação às despesas que o governo teria com os camarotes VIP's. "A população exigiu que os camarotes oficiais, que seriam montados para abrigar autoridades, artistas, políticos e outros convidados durante a festa, fossem cancelados".

"O PT não tem autoridade para discutir esta questão", rebateu o secretário estadual de Imprensa, Evaldo Costa. "O PT esteve 12 anos à frente da Prefeitura do Recife e manteve, neste período, dois camarotes no carnaval, sem questionar". Para ele, a decisão está consumada, não havendo mais razão para discussão.

O secretário de governo do Recife, Sileno Guedes, admitiu que a contestação popular foi o principal motivo da decisão. "O prefeito Geraldo Julio (PSB) tem os ouvidos abertos para o que as ruas estão dizendo", frisou. "Nosso governo está atento às exigências dos novos tempos". Em nota, o grupo Direitos Urbanos comemorou a decisão, que assegura ter sido resultado da campanha "Quero minha vaga no camarote VIP do governo - tô pagando".

"Nossa pressão foi forte o suficiente para forçar o governo a repensar sua postura oligárquica", diz a nota também publicada no Facebook, ao lembrar que empenhos já haviam sido liberados, assim como contratação de serviços e montagem da infraestrutura dos camarotes, "o que dá o tom da gambiarra governamental".

O grupo havia protocolado pedido de informações sobre os valores totais e individualizados de todos os gastos à prefeitura e a relação completa de quem teria acesso aos camarotes.

Mais conteúdo sobre: