Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » PT está 'à beira de um crise de nervos', diz Aécio sobre críticas da cúpula petista

Política

Política

PSDB

PT está 'à beira de um crise de nervos', diz Aécio sobre críticas da cúpula petista

Pré-candidato à Presidência rebateu provocações de Dilma Rousseff e Rui Falcão e disse que sigla cria neologismos que 'remontam aos aloprados'

0

ERICH DECAT,
Agência Estado

11 Fevereiro 2014 | 14h48

Brasília - Após reunião da executiva nacional da legenda, o presidente da sigla e pré-candidato à Presidência pelo PSDB, senador Aécio Neves (MG), rebateu nesta terça-feira, 11, as declarações de integrantes da presidente Dilma Rousseff  e do presidente do PT, Rui Falcão, realizadas nas comemorações do aniversário de 34 do partido, em São Paulo na noite desta segunda-feira, 10.

"Assistimos ali, de forma patética, a uma sucessão de neologismos absolutamente desencontrados que remontam aos mais gloriosos tempos dos aloprados", afirmou o tucano após encontro da Executiva Nacional do PSDB em Brasília. "Infelizmente acho que o PT protagonizou não uma festa, um evento partidário, mas assistimos ali a um partido à beira de uma crise de nervos", emendou Aécio Neves.

Na noite de segunda, a presidente Dilma chamou os adversários de "pessimistas", "caras de pau" e disse que ninguém cobra mais resultados do seu governo do que ela mesma. Por sua vez, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, fez as críticas mais duras aos prováveis adversários da presidente na eleição deste ano. Sem citar nomes, Falcão criou dois termos para se referir a eles: "neopassadista" e "novovelhista".

Resolução. No encontro desta terça, integrantes da cúpula do PSDB aprovaram ainda uma resolução que concede à Executiva Nacional a última palavra em relação às alianças estaduais que deverão disputar o próximo pleito.

"É uma medida preventiva. É um sinal claro: o PSDB tem uma prioridade hoje que supera todas as outras que é eleger o próximo presidente da República", afirmou o senador provável candidato à Presidência. "Não vamos admitir que localmente quadros do PSDB de alguma forma apoiem a candidatura de outro partido", acrescentou.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.