PT entra com pedido que pode cassar mandato de Aécio

Decisão do partido, segundo o senador Humberto Costa (PT-PE), vai no sentido de que o próprio Senado decida sobre o destino do parlamentar tucano, a despeito da decisão do Supremo contra ele

Thiago Faria e Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2017 | 12h50

BRASÍLIA - O PT ingressou nesta quinta-feira, 28, com um novo pedido para que o Conselho de Ética do Senado analise se o senador Aécio Neves (PSDB-MG) quebrou o decoro parlamentar ao pedir e receber R$ 2 milhões da JBS. O tucano é acusado no Supremo Tribunal Federal (STF) de corrupção passiva.

A representação foi protocolada no mesmo dia em que o plenário do Senado aprovou requerimento de urgência para analisar a decisão do STF que determinou o afastamento e o recolhimento noturno de Aécio.

+++ Senado quer livrar Aécio do STF, mas puni-lo no Conselho de Ética

 

Um primeiro pedido contra o tucano pelo mesmo motivo, feito em maio, foi arquivado em maio por 11 votos a 4. Na época, o pedido havia sido protocolado pela Rede. 

Ao anunciar o pedido ao Conselho de Ética, o senador Humberto Costa (PT-PE), disse que a decisão do partido vai no sentido de que o próprio Senado decida sobre o destino do parlamentar tucano, a despeito da decisão do Supremo contra ele. 

 

+++ DEBATE: A decisão do STF de afastar Aécio é constitucional?

 

"Não vou me manifestar agora sobre o mérito da questão (afastamento de Aécio), mas quero dizer, até por conta de versões maldosas que foram veiculadas pela imprensa de que nós estaríamos fazendo parte de qualquer tipo de acordão ou de qualquer coisa nesse sentido (salvar Aécio), que a decisão da nossa bancada é ingressar com uma representação no Conselho de Ética para que seja aberto um processo que avalie, averigue o descumprimento ou a agressão ao decoro parlamentar por parte do senador Aécio. Portanto, entendemos que essa é uma questão que tem que ser avaliada por este parlamento", disse Costa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.