PT e PSDB fazem aliança em 1 de cada 5 municípios

Adversários no cenário nacional, partidos se uniram em 1.130 cidades para eleições, indicam dados do TSE

Marcelo de Moraes e Felipe Recondo, O Estadao de S.Paulo

22 Julho 2008 | 00h00

Maiores rivais na disputa pelo poder político nacional, PT e PSDB não serão tão adversários nas próximas eleições municipais. Levantamento preliminar do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostra que tucanos e petistas estarão juntos formalmente em mais de mil coligações espalhadas por todo o País. Esse número de alianças deverá subir, já que o processamento de informações sobre o registro das candidaturas ainda está sendo concluído. Até agora, foram contabilizadas alianças em1.130 cidades. Isso equivale a 20,3% do total dos 5.565 municípios existentes no Brasil. Algo como uma coligação entre tucanos e petistas a cada cinco cidades. A constância nessa parceria acabou se revelando como uma das maiores surpresas da próxima eleição, uma vez que PT e PSDB têm polarizado as disputas pela sucessão presidencial desde 1994. Naquele ano, o ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso ganhou no primeiro turno do petista Luiz Inácio Lula da Silva. Repetiu a dose em 1998. Quatro anos depois, o PT chegou ao poder, com Lula batendo o tucano José Serra e quatro anos depois se reelegendo ao superar Geraldo Alckmin, também do PSDB. Tudo indica que PT e PSDB devem continuar polarizando na próxima corrida presidencial, de 2010. Além disso, essa grande quantidade de coligações vai na contramão da briga aberta entre os dois partidos em Minas, depois que o Diretório Nacional do PT vetou a aliança com os tucanos em torno da candidatura de Márcio Lacerda (PSB) à Prefeitura de Belo Horizonte. Lacerda tem o apoio político do governador tucano Aécio Neves e do atual prefeito da capital, o petista Fernando Pimentel. Preocupados em evitar que o acordo fortalecesse nacionalmente o governador - um possível pré-candidato tucano à sucessão presidencial -, os dirigentes do PT proibiram o acordo. Informalmente, no entanto, a parceria foi mantida e já chegou às ruas da capital. SEM DOBRADINHA É importante registrar que as alianças entre PSDB e PT acontecem em grande escala pelo Brasil, mas apenas em poucos casos ocorre a chamada dobradinha na chapa majoritária - quando um dos partidos fornece o candidato a prefeito e o outro, a vice. Na maioria das situações, PT e PSDB estão abrigados nas mesmas coligações, em torno de um candidato que pode ser ou não de uma dessas duas legendas. Geralmente, não é petista nem tucano. Em 164 cidades, o PSDB terá o cabeça de chapa. Em 132, será o PT. Nas outras 934, os dois partidos apóiam nomes de outras legendas. De acordo com os dados do TSE, os acordos envolvendo PT e PSDB acontecem nos 26 Estados do Brasil onde haverá eleições municipais - apenas no Distrito Federal não ocorrerá votação. O maior número de chapas conjuntas entre as duas legendas acontece em Minas - são 202 coligações já confirmadas pelo TSE. O presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), ficou surpreso com a quantidade de acordos envolvendo os dois partidos, mas avalia que isso é fruto das diferenças entre o cenário nacional e a política regional. "O PT é que tem problema de consciência em fazer aliança com o PSDB. Eu não tenho", alfinetou. Os petistas justificam a situação pelas peculiaridades do quadro político de cada município. "Às vezes, todos os partidos acabam se juntando para derrotar um político local que é corrupto ou é ruim para a cidade. Acaba sendo mais importante derrotar um mal maior do que evitar uma coligação com um partido rival", avalia o líder do PT na Câmara, deputado Maurício Rands (PE), integrante da Executiva Nacional do partido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.