PT diz que polícia identificou local dos disparos a caravana de Lula

Ônibus foram alvejados no Paraná no final de março; líder na Câmara diz que dono do terreno já se envolveu em conflitos com o MST

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

12 Abril 2018 | 17h16

BRASÍLIA - O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS), afirmou nesta quinta-feira, 12, que a polícia do Paraná informou ter identificado o proprietário do local de onde teriam partido os tiros que atingiram em 27 de março um dos ônibus da caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato.

++ Perícia confirma que ônibus da caravana de Lula recebeu dois tiros

++ Moro ordena prisão de Lula

Sem dar o nome do responsável, Pimenta disse que o homem identificado pela polícia já teria se envolvido em conflitos com integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e responde por crimes semelhantes ao praticado contra a caravana. 

"A polícia do Estado do Paraná conseguiu identificar o proprietário do local da onde partiram os tiros no ônibus da caravana do presidente Lula. A polícia já identificou o proprietário", afirmou Pimenta em entrevista coletiva na Câmara.

"É uma pessoa, inclusive, que já se envolveu em conflitos dessa natureza com o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, já responde por crimes semelhantes a esses", acrescentou o parlamentar gaúcho. Segundo ele, o PT está acompanhando a investigação e entende que os disparos devem ser tratados como "atentado". 

Em 5 de abril, resultado da perícia técnica da Polícia Civil do Paraná atestou que a caravana de Lula foi atingida por dois tiros de arma de fogo calibre 32. Os disparos perfuraram a lataria de um dos três ônibus da comitiva petista na rodovia PR-473, entre as cidades de Quedas do Iguaçu e Laranjeiras do Sul.

Procurada, a assessoria de comunicação da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná não confirmou as informações citadas pelo deputado. O caso continua sob investigação da delegacia de Laranjeiras do Sul. / COLABOROU MARCO ANTÔNIO CARVALHO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.