PT aciona Conselho de Ética após deputado compartilhar foto de filha de Maria do Rosário

Deputado do PT disse que Wladimir Costa (SD-PA) retirou foto do contexto e que a usou para "atingir o elo familiar" de Maria do Rosário

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2017 | 19h40

BRASÍLIA - Desde que saiu do anonimato após tatuar o nome do presidente Michel Temer no ombro, o deputado Wladimir Costa (SD-PA) vem colecionando polêmicas. Nesta quarta-feira, 6, o parlamentar será alvo de uma nova representação no Conselho de Ética da Câmara sob a acusação de quebra de decoro parlamentar.

Costa compartilhou em um grupo de Whats App que reúne deputados e assessores uma montagem com a foto da filha da deputada Maria do Rosário (PT-SP) e do deputado Eduardo Bolsonaro (PSC-SP), filho de Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

Na imagem, roubada do perfil do Instagram da adolescente de 16 anos, a filha da deputada petista aparece com a calcinha à mostra. Em contraposição, o filho de Bolsonaro está de terno e gravata. Na legenda, a frase: “É na educação dos filhos que se revelam as virtudes dos pais”.

Costa enviou a montagem ao grupo da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle. Presidente do colegiado, o deputado Wilson Filho (PTB-PB) pediu respeito e disse que esse tipo de postagens não seria permitida.

Na representação que será protocolada no Conselho de Ética, o deputado Jorge Solla (PT-BA) afirma que a foto foi tirada do contexto e usada para “atingir o elo familiar” de Maria do Rosário.

“Desse modo, o representado (Costa) atacou indevidamente a pessoa da deputada Maria do Rosário, utilizando-se, indevida e ilegalmente, da imagem de sua filha adolescente para invectivar sua condição de mãe, de parlamentar e de mulher, fazendo comparações entre filhos com o intuito de deliberadamente depreciar”, diz o documento.

No mês passado, o PSB entrou com outra ação no Conselho de Ética contra Costa por ofensas dirigidas à jornalista Basília Rodrigues, da rádio CBN. Procurado, o deputado não respondeu aos pedidos de entrevista do Estado.

Mais conteúdo sobre:
Política

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.