Wladimir Barreto/Agência Senado
Wladimir Barreto/Agência Senado

'PSDB pecou por lentidão no caso Cunha', avalia líder do partido no Senado

Cássio Cunha Lima não poupou o líder tucano na Câmara, Carlos Sampaio, e afirmou que falta diálogo interno na sigla

Isabela Bonfim , O Estado de S. Paulo

14 Outubro 2015 | 18h24

Brasília - O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) reprovou nesta quarta-feira, 14, a atitude de outros membros do partido em não cobrar que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, se afaste do cargo. "Não quero intervir na bancada da Câmara, ou na liderança do deputado Carlos Sampaio, mas nesse episódio o PSDB pecou no mínimo por lentidão", afirma. Para o senador, falta diálogo interno no partido.

Cássio Cunha Linha se referiu às declarações do líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (PSDB-SP) que afirmou que Eduardo Cunha "tem o benefício da dúvida", após a Procuradoia-Geral da República denunciar a existência de contas na Suíça em nome do presidente da Câmara, na semana passada. E também aos demais deputados do partido que não assinaram a representação no Conselho de Ética contra o presidente da Casa, proposta nesta terça pelo PSOL e pela Rede.  

Na avaliação do senador tucano, o PSDB deveria ter reagido mais rapidamente.No entanto, não existe no momento um discurso alinhado entre os parlamentares do PSDB no Senado e na Câmara quanto ao afastamento do peemedebista. Por essa razão, o senador defende que o partido se reúna. "As lideranças precisam se reunir e dialogar, o que não pode é ética seletiva, que funcione de acordo com nossas conveniências e interesses", afirma.

Na opinião do senador, a situação de Eduardo Cunha como presidente da Câmara é "insustentável". Ele defende que Cunha dê continuidade ao mandato, mas não à frente da Casa. "Ele pode permanecer no plenário, como muitos outros deputados e senadores que respondem a inquéritos e ações penais, mas não tem condições de exercer o cargo de presidente, por toda a pedagogia que essa ação representa, de que na política vale tudo."

Nota. Mais cedo, o líder do DEM na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE), desconversou sobre a reação tímida da oposição ao processo por quebra de decoro parlamentar proposto pelo PSOL e pela Rede Sustentabilidade no Conselho de Ética contra o presidente da Câmara. Nenhum parlamentar dos partidos adversários da presidente Dilma Rousseff assinaram o documento. Apesar disso, Mendonça nega haver blindagem ao peemedebista e disse que a manifestação por meio de uma nota, no fim de semana, já seria suficiente para marcar a posição do grupo.

PSDB, PPS, PSB, SD e DEM divulgaram uma nota no sábado na qual pedem o afastamento do peemedebista logo após a revelação de que as contas na Suíça pagaram despesas pessoais de parentes de Cunha. Mendonça rechaçou a tese de que a mensagem divulgada tenha sido "jogo de cena". "Nós já nos manifestamos por nota. A nossa manifestação foi pública, ampla e nessa direção: propondo o afastamento dele", afirmou o líder.

Mais conteúdo sobre:
Operação Lava Jato Eduardo Cunha PSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.