PSDB estadual classifica propaganda do PT como 'estelionato'

Presidente da legenda em São Paulo eleva tom das críticas e chama Ciro Gomes de 'nanico de Dilma'

André Mascarenhas, do estadao.com.br,

08 Outubro 2009 | 20h51

Em nota divulgada nesta quinta-feira, 8, o presidente estadual do PSDB, deputado federal Antonio Carlos Mendes Thame, elevou o tom das críticas ao PT e ao pré-candidato à presidência pelo PSB Ciro Gomes.

 

Veja Também

linkPara Ciro, José Serra é 'ameaça ao Brasil'

 

O texto é uma resposta à campanha publicitária do PT, que afirma que o governo Lula investirá R$ 100 bilhões no Estado de São Paulo até 2010. A nota insinua ainda que Ciro trabalhará como "nanico de Dilma" na campanha do ano que vem e chama o deputado pessebista de "neo-paulista", em referência a recente mudança de domicílio eleitoral do deputado do Ceará para São Paulo.

 

De acordo com Thame, o partido da ministra-chefe da Casa Civil e pré-candidata de Lula a sucessão, Dilma Rousseff, o total de R$ 100 bilhões é fantasioso, pois o montante incluiria, além do dinheiro repassado pela União, despesas de empresas públicas federais, empréstimos de bancos federais e investimentos do Estado e município.

 

"A este respeito, por exemplo, o Rodoanel está computado dentro do PAC federal pelo valor de R$ 3,6 bilhões, mas o governo federal entra apenas com R$ 1,2 bilhão, cabendo R$ 2,4 bilhões ao governo do Estado de São Paulo", explica a nota.

 

Thame chama a propaganda do PT de estelionato. "E o PT apresenta o total como investimento do governo Lula! Haja estelionato!", critica.

 

O presidente estadual do PSDB argumenta ainda que "financiamentos do BNDES e da Caixa Econômica Federal não são, também, gastos federais".

 

"Se considerarmos o gasto orçamentário feito até setembro de 2009, em projetos em São Paulo, o valor é inferior a R$ 2 bilhões", diz a nota, em referência aos investimentos cuja origem exclusiva é o Orçamento da União.

 

Leia a íntegra da nota:

 

"No meio das tratativas com o neo-paulista e nanico da Dilma, Ciro Gomes, que deverá ser seu candidato a governador de São Paulo(!), o PT paulista parece ter perdido a noção das coisas. Na sua propaganda na TV, afirma que o PAC em São Paulo investe um montante de R$ 100 bilhões até 2010.

 

Esse total fantasioso não inclui apenas os gastos efetivos do governo federal, mas também despesas de empresas públicas federais, empréstimos de bancos federais e investimentos do Estado e dos municípios. A este respeito, por exemplo, o Rodoanel está computado dentro do PAC federal pelo valor de R$ 3,6 bilhões, mas o governo federal entra apenas com R$ 1,2 bilhão, cabendo R$ 2,4 bilhões ao governo do Estado de São Paulo. E o PT apresenta o total como investimento do governo Lula! Haja estelionato! (Na verdade, o Rodoanel custa cerca de R$ 4,4 bilhões, de modo que o aporte efetivo do governo estadual é de R$ 3,2 bilhões).

 

Financiamentos do BNDES e da Caixa Econômica Federal não são, também, gastos federais. Desde quando conceder crédito significa gasto para quem empresta? As Casas Bahia estão doando geladeiras e televisores a quem compra a prazo? O Banco Mundial e o BID estão doando o dinheiro para o Metrô, a CPTM e as estradas vicinais que estão financiando? O Banco de Desenvolvimento do Japão está doando as obras de saneamento na Baixada Santista? Ora, quem está gastando de fato é quem vai pagar os empréstimos: o governo de São Paulo.

 

Dinheiro federal para São Paulo, de verdade, sem enganação, é o que vem do orçamento da União. Se considerarmos o gasto orçamentário feito até setembro de 2009, em projetos em São Paulo, o valor é inferior a R$ 2 bilhões (valor pago de R$ 1, 9 bilhões). Esse montante soma também projetos feitos diretamente com prefeituras. Ou seja, 50 vezes menos do que o PT paulista está anunciando na TV!

 

No caso dos projetos com interveniência do governo do Estado, o montante efetivamente pago pelo orçamento da União soma R$ 869,7 milhões pagos, dos quais R$ 809 milhões correspondem ao Rodoanel. O valor total de convênios do governo do Estado de São Paulo no PAC soma R$ 7,9 bilhões, dos quais já houve liquidação de R$ 3,7 bilhões. Quando as obras dos convênios do PAC forem concluídas, o governo do Estado terá gasto R$ 6 bilhões e o governo federal terá aportado R$ 1,9 bilhão. Pois esses R$ 6 bilhões são apresentados pelo PT paulista como sendo gasto do governo Lula!

 

 

Antonio Carlos Mendes Thame

Presidente Estadual PSDB-SP"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.