Marcelo Camargo/Estadão
Marcelo Camargo/Estadão

‘PSDB desses caras não é o meu PSDB’

Presidente interino da sigla, Tasso critica reação de deputados pró-Aécio e pró-Temer em reunião na qual debateram contratação de agência

Igor Gadelha, Julia Lindner e Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2017 | 10h52

Correções: 01/11/2017 | 16h20

BRASÍLIA - Em mais um episódio da crise interna no PSDB, deputados da ala que defende o apoio do partido ao governo Michel Temer bateram boca na terça-feira, 31, com o presidente interino da legenda, senador Tasso Jereissati (CE), que é favorável ao rompimento. A briga ocorreu durante encontro da bancada tucana na Câmara. Segundo dois deputados que não quiseram se identificar, houve ameaças de agressão. “Esse PSDB desses caras não é o meu PSDB”, disse Tasso.

+++ Marconi Perillo faz campanha pela presidência do PSDB

A reunião foi convocada pelo líder do PSDB na Casa, deputado Ricardo Tripoli (SP), para que a empresa Ideia Big Data fizesse uma exposição sobre o plano de reestruturação de comunicação do partido nas redes sociais. A empresa foi contratada por Tasso recentemente.

+++ Tasso não consegue unificar PSDB do Espírito Santo

A discussão começou quando os deputados Domingos Sávio (MG), Paulo Abi-Ackel (MG) e Giuseppe Vecci (GO) criticaram a contratação da empresa. Os três parlamentares são aliados do senador Aécio Neves (MG), presidente licenciado da sigla.

A contratação gerou reações negativas porque o vice-presidente da empresa, Moriael Paiva, foi responsável pela campanha do governador Fernando Pimentel (PT) em 2014, que derrotou a candidatura do tucano Pimenta da Veiga, apoiado por Aécio, ao governo de Minas.

“Coloquei que era um absurdo contratar uma empresa que fez uma campanha com ataques que considero criminosos ao PSDB de Minas. Mostrei que era inaceitável contratar uma empresa dessas”, disse Sávio.

O parlamentar afirmou que a empresa tem ligações com a agência de propaganda Pepper, contratada pela campanha eleitoral da presidente cassada Dilma Rousseff em 2014 e investigada na Operação Acrônimo por suspeita de lavagem de dinheiro.

O deputado mineiro acusou ainda o dono da empresa de fazer postagem nas redes sociais atacando tucanos. “O dono dessa empresa vem fazendo, por exemplo, postagens com ataque ao governador Geraldo Alckmin (de São Paulo)”, afirmou.

Os ânimos se exaltaram quando Vecci questionou Tasso se ele será candidato a presidente do PSDB na eleição interna marcada para dezembro. “O Tasso parece que ficou nervoso com essa pergunta, mas não quis responder. Nesse momento, nosso tom de voz e do Tasso aumentou”, contou Sávio.

Integrante da ala oposicionista, o deputado Daniel Coelho (PE) confirmou que o clima da reunião ficou ruim e alguns deputados se levantaram para tentar pedir que Sávio, Vecci e Abi-Ackel parassem de “tumultuar”. Após a tensão, os três deixaram a reunião.

‘DELIRANTE’ 

“Foi uma reação delirante de Minas e Goiás. Não entendi, uma coisa atabalhoada”, disse Tasso sobre o episódio, após a reunião.

O senador afirmou que, enquanto for presidente interino, continuará “até o fim com o projeto de reestruturar o PSDB”. Segundo Tasso, será mantida a contratação do publicitário, que ele diz ter conhecido como assistente do ex-ministro falecido Sérgio Motta e que atuou em campanhas do PSDB, como a do senador José Serra ao governo de São Paulo e a do atual ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, ao Senado.

Correções
01/11/2017 | 16h20

Ao contrário do informado inicialmente na reportagem, Moriael Paiva não é proprietário da empresa Ideia Big Data, é vice-presidente da companhia. Além disso, a Ideia Big Data não prestou serviços para a campanha de Dilma Rousseff em 2014 nem é investigada pela Operação Acrônimo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.