Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » PSB mostra Marina pela 1ª vez no horário eleitoral da TV

Política

PSB mostra Marina pela 1ª vez no horário eleitoral da TV

As campanhas de Marina Silva (PSB), Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) utilizaram táticas diferentes no segundo dia de propaganda gratuita na TV. O PSB trouxe Marina Silva pela primeira vez, com trechos do discurso lido por ela nesta quarta-feira, 20, ao aceitar a candidatura.

0

JOSÉ ROBERTO CASTRO E ANA FERNANDES,
Estadão Conteúdo

21 Agosto 2014 | 14h41

O programa do PSDB, além de mostrar o discurso de Aécio contra o governo, apresentou uma minibiografia do candidato e uma entrevista com ele. O programa de Dilma usou sua vantagem de tempo sobre os adversários para apresentar obras e criticar a herança que o PT recebeu de outros governos.

Marina

O primeiro programa de TV que mostrou Marina Silva como candidata do PSB à Presidência começou com imagens do velório e enterro de Eduardo Campos. Enquanto as imagens eram exibidas, Marina lia um discurso em homenagem ao ex-companheiro de chapa.

A ex-senadora chegou a interromper a leitura ao se emocionar lembrando o primeiro programa que seria exibido na TV, que já estava praticamente pronto quando Eduardo morreu. "Vi com muita emoção o primeiro programa de TV que íamos levar ao ar e me tocou profundamente a imagem do abraço que nos demos".

Enquanto hoje a chapa enfrenta a crise da saída de Carlos Siqueira da coordenação de campanha, após atritos com a própria Marina, trechos do discurso da candidata exaltaram a necessidade de um esforço de união após a morte de Campos. "Que saiamos do trauma da perda de Eduardo dispostos a nos entendermos para levarmos adiante nossa missão", disse.

O programa de TV do PSB também destacou parte do discurso de ontem de Marina em que confirmou que seguirá os compromissos e o projeto traçado com Campos. "O programa é, em si mesmo, o pacto selado, o acordo maior que nos une."

Aécio

Depois de apresentar trechos do vídeo em que Aécio Neves aparece fazendo um discurso aos brasileiros, como no programa passado, o PSDB exibiu uma biografia de seu candidato. Nela, Aécio foi mostrado como o neto de Tancredo Neves, o deputado jovem e o governador que cortou o próprio salário para ajudar a resolver os problemas de caixa do governo de Minas Gerais.

Em uma entrevista com perguntas e respostas rápidas, Aécio disse que a saúde será "prioridade" em seu governo, que vai "enfrentar" os problemas de segurança, que terá "tolerância zero" com a inflação e que a corrupção é "inaceitável". O tucano voltou a prometer que, caso eleito, cortará pela metade os atuais 39 ministérios. Quando perguntado sobre como seria construído um futuro governo, Aécio respondeu: "Ética, eficiência e uma inabalável fé em Deus".

Dilma

O PT e os partidos aliados usaram a maior parte do programa para mostrar obras realizadas durante os governos de Lula e Dilma. Houve ainda críticas a governos anteriores. Dilma disse que o País sofre com "obstáculos herdados daquele tempo em que o Brasil não se organizava para planejar e executar".

Obras como as usinas de Belo Monte, Santo Antônio e Jirau foram mostradas como exemplo, com estatísticas exaltando o porte dos investimentos. A exploração do pré-sal e a transposição do Rio São Francisco também foram exibidas, esta como uma obra que, segundo a presidente, "vai secar muitas lágrimas do nordestino". "Muita gente no Brasil não sabe que estamos realizando obras desse porte", disse Dilma. "Por isso, quando dizem que o Brasil está parado, eu até acho graça", emendou. A campanha pediu para que quem tirou um "rousselfie" envie a foto pelo site.

No fim do programa, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez críticas à imprensa que, segundo ele, "esconde obras fundamentais" que estão em andamento. "A campanha negativa de certa imprensa se tornou o principal partido de oposição", disse Lula. Em uma referência ao seu slogan na campanha de 2002, Lula disse que, com Dilma, "agora, a verdade vai vencer a mentira".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.