BETO BARATA/ESTADÃO CONTEÚDO
BETO BARATA/ESTADÃO CONTEÚDO

PSB decide se permanece no governo neste sábado

Líder do partido no Senado fala em 'cautela e prudência' a partir de novas revelações contra o presidente Temer

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

19 Maio 2017 | 17h08

BRASÍLIA - O líder do PSB no Senado, Fernando Bezerra (PE), avaliou que o pronunciamento do presidente Michel Temer na quinta-feira, 18, foi "positivo", porém as novas informações reveladas nesta sexta-feira, 19, com a quebra de sigilo da delação da JBS, precisam ser analisadas com "cautela e prudência" pelo partido. O partido detém um ministério no governo, o de Minas e Energia.

Bezerra disse que a reunião da bancada no Senado para discutir a permanência da legenda na base aliada do governo está mantida para a próxima segunda-feira, 22. Ele ponderou que os parlamentares querem ter todas as informações antes de tomar uma decisão.

"Tem de se refletir sobre todo conjunto. Ontem (quinta, 18) tínhamos parte das informações, hoje (sexta, 19) temos novas informações, temos que refletir sobre isso e fazer esclarecimento."

Bezerra afirmou que a bancada, composta por sete senadores, vai levar em consideração o posicionamento definido neste sábado, 20, durante a reunião da Comissão Executiva Nacional do partido, às 10h, agendada pelo presidente Carlos Siqueira.

"Está todo mundo conversando, não temos uma posição final. Vamos ver como será a decisão amanhã", declarou o líder da sigla no Senado.

O parlamentar é pai do ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Filho (PSB-PE). Na quinta, Siqueira pediu para que ele deixe o cargo ministerial imediatamente, por considerar que o governo "acabou" após a divulgação da notícia de que Temer foi gravado pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS, supostamente orientando a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Bezerra disse que a saída do ministro ainda está sendo avaliada.

Mais conteúdo sobre:
JBS PSB Michel Temer Joesley Batista

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.