1. Usuário
Assine o Estadão
assine

PSB critica governo por loteamento de cargos

CLARISSA THOMÉ - Agência Estado

15 Março 2014 | 16h 30

As críticas ao loteamento de cargos pelo governo federal e à condução da crise energética pelo governo deram a tônica dos discursos na abertura do seminário do PSB, Rede Sustentabilidade e PSB, ontem no Rio. O deputado Miro Teixeira (PROS), partido da base aliada da presidente Dilma Rousseff, chegou a dizer que o governo "cede à chantagem" e "faz acordos pornográficos".

Miro tem o apoio de Eduardo Campos e da executiva nacional do PSB para se candidatar ao governo do Rio e teve posição de destaque como "convidado" do seminário. Chegou a ser saudado pela ex-senadora Marina Silva como companheiro que "caminhou ombro a ombro" para a construção da Rede. O deputado federal Alfredo Sirkis, que se lançou candidato à sucessão de Sérgio Cabral (PMDB) em fevereiro, estava no encontro e evitou polemizar. "Estou aqui para discutir programa de governo", afirmou.

O governador Eduardo Campos, pré-candidato à presidência pelo PSB, também se esquivou ao ser perguntado sobre o assunto. "O Rio tem uma situação muito própria pelo que tem ocorrido no Rio de Janeiro. Temos nomes que são da Rede e que estão no PSB e nomes que são da Rede e fizeram opção pelo PROS, partido que está na base e que, me parece, não definiu ainda que estará na campanha da presidenta Dilma". Campos disse ainda que nas pesquisas de sondagem, a maioria dos eleitores responde que votaria em branco, nulo ou que não sabe.

"Temos de responder a isso com debate".

Campos foi recebido pelos delegados do seminário com palavras de ordem. "Um passo à frente/Eduardo presidente", gritavam os participantes do encontro. Em seu discurso, ele manteve a estratégia de elogiar feitos do governo Lula e insistir que não houve avanços. O governador de Pernambuco também disse que quer debater com

Dilma temas como o setor energético e segurança pública.

"Será que é só (discutir) a próxima eleição, quem vai ser o marqueteiro, quanto tempo de televisão tem, qual é o lixinho que bota para debaixo do tapete - e o tapete está dessa altura. As pessoas estão vendo tudo. Temos que ficar muito calmos para fazer o debate de conteúdo. Incomoda a qualidade do debate que estamos propondo, que não nega as conquistas. É um debate corajoso, de quem não aceita cabresto. E desse incômodo nós não vamos poder poupar a sua excelência, a presidente da República", discursou Campos.

Loteamento. Além do deputado Miro Teixeira, Marina Silva também usou o termo chantagem para se referir às negociações entra a base aliada e o governo. "Não vamos fazer em hipótese nenhuma fazer a política do quanto pior, melhor. Não queremos com nosso ato favorecer aqueles que usam de chantagem para mais um cargo, mais um ministério, mais um conselho. Vamos apoiar propostas justas e corretas. Queremos governabilidade programática, não pragmática."