1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Manifestação cerca Planalto e Congresso

- Atualizado: 17 Março 2016 | 00h 43

Polícia fez uso da força para dispersar grupos em confronto e evitar invasão de prédios

A nomeação de Luiz Inácio Lula da Silva como ministro-chefe da Casa Civil levou cerca de 5 mil manifestantes à Praça dos Três Poderes. Diante do Palácio do Planalto, o grupo chegou a pedir a prisão do ex-presidente. No final da noite, a aglomeração se deslocou para o gramado do Congresso Nacional.

O protesto improvisado contou com uma breve participação de deputados de oposição. Aliado do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) foi expulso da manifestação sob gritos de “ladrão”. “Não é com esse tipo de comportamento, atingindo a nós que somos a favor do impeachment, que vai se resolver alguma coisa”, reclamou o deputado. 

O momento mais tenso na frente do Palácio do Planalto ocorreu quando os manifestantes enfrentaram um pequeno grupo pró-PT. O confronto foi debelado com a intervenção de policiais, que agiram com truculência. O trânsito no local foi bloqueado.

Atos pelo País após a nomeação de Lula como ministro da Casa Civil
JF Diório/Estadão
São Paulo (SP)

Parte da avenida Paulista em que fica o Masp foi tomada por manifestantes contrários a entrada de Lula no Ministério da Casa Civil

Reunião. Sem opção de seguir para a entrada do Palácio da Alvorada, que estava isolado pela segurança, assim como o Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente Michel Temer, os manifestantes foram para o Congresso. No Alvorada, a presidente Dilma Rousseff estava reunida com ministros e parlamentares.

Em frente ao Congresso, os manifestantes invadiram o espelho d’água, penduraram o boneco do ex-presidente, o Pixuleco, no mastro onde normalmente fica a bandeira nacional e gritaram palavras de ordem contra Lula e Dilma. Vários portavam faixas e cartazes que pediam o impeachment.

A Polícia Militar do Distrito Federal foi chamada para reforçar a segurança e usou bombas e spray de pimenta para dispersar o grupo. Assustados, deputados e servidores foram orientados a deixar o prédio por saídas laterais.

O protesto no gramado foi marcado por momentos de tumulto e correria. Um policial e um manifestante ficaram feridos. / ANDRÉ BORGES, DANIEL CARVALHO, DAIENE CARDOSO, IGOR GADELHA e JÚLIA LINDNER

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX