1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Projeto que reduz salário de Dilma e ministros passará a ter urgência

- Atualizado: 23 Fevereiro 2016 | 15h 40

Decisão acontece após reportagem do 'Estado' mostrar que passados quatro meses, a promessa da presidente de reduzir em 10% o próprio salário, do vice e dos 31 ministros não saiu do papel

BRASÍLIA - Líderes da base reunidos nesta terça-feira, 23, com o ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, assinaram uma ordem de urgência constitucional para que o Projeto de Decreto Legislativo (PDCO) nº 295/15, que trata da reforma administrativa e da redução de salários do executivo, tenha prioridade nas votações na Câmara. O objetivo do governo é que o projeto chegue a Plenário para ser votado ainda esta semana.

A decisão acontece após reportagem publicada pelo Estado mostrando que passados quatro meses, a promessa de Dilma de reduzir em 10% o próprio salário, do vice e dos 31 ministros não saiu do papel e todos continuam recebendo R$ 30.934,70 por mês. Além disso, dos 3 mil cargos comissionados que o governo cortaria, apenas 528 foram extintos até agora. O Ministério do Planejamento afirmou que a medida está em curso e sendo feita de maneira gradual e que, para esta semana, há previsão de publicação de decretos com redução de aproximadamente mais 140 cargos.

A presidente Dilma Rousseff terá corte em seu salário

A presidente Dilma Rousseff terá corte em seu salário

Esclarecimento. O Planejamento contestou a avaliação de que a burocracia é culpada pelo atraso na tramitação. Segundo a assessoria, essa não é a posição da Pasta, que diz que "o governo não deixou de envidar esforços para que o decreto fosse rapidamente analisado pelos congressistas".

Segundo a Pasta, desde o dia 6 de outubro do ano passado, quando o projeto de decreto foi encaminhado ao Congresso, “o governo não deixou de envidar esforços para que o decreto fosse rapidamente analisado pelos congressistas”.

A Secretaria de Governo justificou que não é culpa do legislativo a demora e que o projeto está obedecendo aos trâmites legislativos. A presidente, argumenta a pasta, não descumpriu a promessa já que encaminhou a proposta ao Congresso e ainda segue com o compromisso de redução salarial, no entanto, o projeto precisa obedecer os trâmites naturais.

Caminho. Anunciada em 2 de outubro, durante a reforma ministerial, a medida foi encaminhada ao Congresso sob a forma de uma mensagem presidencial três dias depois. Na primeira instância pela qual precisava passar, a Comissão de Finanças e Tributação da Câmara, o parecer por sua aprovação só foi apresentado pela relatora Simone Morgado (PMDB-PA) em 16 de novembro e aprovado no colegiado no dia 9 de dezembro. A mensagem presidencial transformou-se, então, em um projeto de decreto legislativo, que precisaria ser apreciado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde chegou no dia 15 de dezembro. Na semana seguinte o Congresso entrou em recesso e o relator da CCJ só foi designado no dia 29 de janeiro. O nome escolhido foi deputado Décio Lima (PT-SC) que, procurado pelo Estado, não sabia da indicação. "Eu não estou sabendo que sou o relator. Se fui designado relator, ainda não fui informado", afirmou.

Agora com o pedido de urgência constitucional o parecer da CCJ poderá ser lido em Plenário. Depois de passar pela Câmara, o projeto segue para o Senado, onde passará também por comissões da Casa até ir a voto no plenário.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX