1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Programa quer 'um lar para cada brasileiro', diz Dilma

GABRIELA LARA E CARLA ARAUJO - Agência Estado

14 Fevereiro 2014 | 14h 25

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira, durante a cerimônia de entrega de 5.384 Unidades Habitacionais do Residencial Viver Melhor e anúncio de investimentos do PAC 2 Mobilidade Urbana, que o nome do programa Viver Melhor "fala na alma". "Todo mundo quer uma casa para morar", disse.

A presidente afirmou que depois da crise econômica o governo federal decidiu investir na construção de casas. "Havia crise brava no mundo em 2009 e, para garantir empregos, decidimos fazer casas", disse. "Fazer casa é gerar emprego e dar um lar para cada brasileiro e brasileira."

Dilma disse ter "muito orgulho de ter ajudado a construir" o programa Minha Casa, Minha Vida e afirmou que ele permite, em média, que cada pessoa pague R$ 50 por mês para ter a casa própria. Segundo ela, ninguém precisa agradecer pelo feito do governo porque isso faz parte de sua obrigação. "Muita gente agradece, não tem de agradecer. Esse dinheiro é do povo brasileiro e o dinheiro do povo brasileiro tem de voltar para o povo brasileiro", disse. No período da tarde, Dilma visita as obras do Estádio Arena da Amazônia e o Barco Escola Samaúma II.

Mobilidade Urbana

A presidente da República anunciou investimento em mobilidade urbana para a cidade de Manaus, em parceria do governo federal com o governo do Estado e a prefeitura. "Nós vamos colocar mais R$ 419,6 milhões, que serão investidos em corredores de ônibus, para fazer as pessoas irem mais rápido de casa para o trabalho", afirmou em discurso na capital amazonense.

"Com o governo estadual temos um projeto de R$ 295 milhões para os corredores leste-oeste. Com o prefeito nós temos mais quatro projetos envolvendo aproximadamente o mesmo valor", explicou.

Dilma citou ainda o Barco Escola Samaúma II, que ela visitará à tarde na região. "Educação para o meu governo é uma coisa prioritária. Nós sabemos que as indústrias, a agricultura e os serviços querem trabalhadores capacitados."