1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Professores do Rio ameaçam ir à Justiça

- Atualizado: 07 Janeiro 2016 | 05h 00

Docentes discutirão ema ssembleia a possibilidade de cobrar do governo estadual prejuízos decorrentes do atraso no pagamento dos salários

RIO - Os professores e demais profissionais da rede estadual de ensino do Rio de Janeiro discutirão em assembleia no próximo dia 12 a possibilidade de recorrer à Justiça contra o governo Luiz Fernando Pezão (PMDB) para cobrar prejuízos decorrentes do atraso no pagamento dos salários.

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB)

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB)

“Os servidores sempre receberam no terceiro ou quarto dia útil. Muitos têm dívidas parceladas que vencem nos primeiros dias do mês, planejadas de acordo com a data em que costumavam receber. Como agora só receberão no dia 12, muitos não terão dinheiro para quitar as dívidas na hora certa”, disse o secretário de Finanças do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro, Danilo Serafim. “Provavelmente pediremos o ressarcimento desse prejuízo.”

O sindicato acionou judicialmente o Estado para o pagamento integral da segunda parcela do 13º salário, mas a Justiça negou decisão provisória favorável. Agora será analisado o mérito do pedido.

Greve geral. Em 3 de fevereiro haverá outra assembleia, desta vez com a participação de servidores estaduais de todas as áreas, como saúde, educação e segurança. Poderá ser decidida uma greve geral.

Em decorrência de ordem judicial, os salários de funcionários do Poder Judiciário e do Ministério Público foram pagos em 30 de dezembro.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX