1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Prévias do PSDB motivam mudanças no governo paulista

- Atualizado: 05 Março 2016 | 07h 31

Edson Aparecido, que não apoiou João Doria, pode deixar governo; aliados de Matarazzo perderão cargos

O tenso processo de prévias do PSDB para definir o candidato do partido à Prefeitura de São Paulo começa a ter efeitos diretos sobre outra administração, a do governo do Estado.

Braço direito de Geraldo Alckmin, o titular da Casa Civil, Edson Aparecido, responsável pela articulação política do Palácio dos Bandeirantes e ex-coordenador da campanha do tucano à reeleição em 2014, perdeu espaço no governo por não ter apoiado o empresário João Doria, que é apoiado pelo governador.

Ele deve deixar o cargo na reforma do secretariado, que deve acontecer no primeiro semestre. O Palácio dos Bandeirantes nega a mudança e qualquer tipo de retaliação a tucanos que não estejam apoiando o pré-candidato favorito do governador. O titular da Casa Civil, no entanto, tem passado por um processo de isolamento político.

Após ter seu nome envolvido em polêmicas, Aparecido pediu exoneração e deixou, no último dia 25 de março, o cargo de chefe da Casa Civil do governo Alckmin. Oficialmente, ele alega que vai disputar o cargo de vereados de São Paulo nas eleições deste ano. Leia mais

Após ter seu nome envolvido em polêmicas, Aparecido pediu exoneração e deixou, no último dia 25 de março, o cargo de chefe da Casa Civil do governo Alckmin. Oficialmente, ele alega que vai disputar o cargo de vereados de São Paulo nas eleições deste ano. Leia mais

Na terça-feira, por exemplo, Aparecido não foi convidado para uma reunião de Alckmin sobre mudanças no secretariado. Como titular da Casa Civil e responsável pela campanha que reelegeu o governador em primeiro turno, o secretário sempre teve livre acesso ao chefe do Executivo paulista. A situação agora é diferente.

Discurso. A gota d’água que azedou a relação entre Alckmin e Aparecido foi um discurso do secretário, em um ato de encerramento da pré-campanha de Doria, no qual ele pregou unidade ao PSDB, exaltou os quadros “históricos” do partido, mas não declarou voto no empresário. O governador não teria gostado da atitude do auxiliar.

Dirigentes tucanos dizem de forma reservada que a disputa pela vaga de candidato à Prefeitura de São Paulo causou um racha irreversível no partido.

Até aliados de Alckmin acreditam que haverá mudanças no primeiro e no segundo escalão do governo. Entre os nomes que podem ser substituídos estão o secretário de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro, que não apoiou Doria, e vários nomes do segundo escalão da secretaria de Cultura que seriam ligados ao vereador Andrea Matarazzo.

Colaborou para o desgaste de Aparecido a citação a uma compra de um imóvel em Moema, zona sul da capital: o tucano teria adquirido um apartamento que pertencia a um empresário cuja empresa presta serviços ao governo estadual.

O secretário nega irregularidades na negociação e contesta a reportagem publicada sobre o assunto pela imprensa. Outro episódio que incomodou o governador foi o surgimento do nome do ex-chefe de gabinete da Casa Civil, Luiz Roberto dos Santos, o “Moita”, nas investigações da Operação Alba Branca.

Ele seria beneficiário de propina no esquema de corrupção e superfaturamento na venda de produtos agrícolas para merenda de escolas de prefeituras e Estado.

O apoio de Alckmin a Doria, em oposição à adesão de tucanos históricos como Fernando Henrique Cardoso e José Serra a Matarazzo, antecipou para as prévias municipais um embate que se esperava apenas para 2018, quando o governador pretende disputar novamente a Presidência, cargo também almejado por Serra.

Alckmin foi candidato em 2006, quando não conseguiu evitar a reeleição de Luiz Inácio Lula da Silva, e o hoje senador por São Paulo foi derrotado em 2002 e 2010.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX