PEDRO VENCESLAU/ESTADÃO
PEDRO VENCESLAU/ESTADÃO

Prévias do PSDB começam hoje sob troca de acusações

Sigla pode definir neste domingo,18, candidato ao governo; Doria é favorito e Alckmin se mantém neutro

Pedro Venceslau , O Estado de S.Paulo

18 Março 2018 | 05h00

Depois de apenas dez dias de campanha, as prévias que definirão o candidato do PSDB ao governo paulista ocorrem neste domingo, 18, em meio a um cenário de polarização entre o prefeito João Doria e outros três pré-candidatos que acusam a direção do partido de favorecê-lo na disputa. 

Nesta quinta-feira, 15, o suplente de senador José Aníbal, um dos concorrentes, entrou com uma liminar pedindo a anulação das prévias. Até a conclusão desta edição, a Justiça não havia anunciado uma decisão. 

+++Prévia tucana não tem controle dos votantes

No cargo há 15 meses, Doria vai para a eleição interna sem o apoio declarado do governador Geraldo Alckmin, que foi decisivo em sua vitória nas prévias de 2016. Desta vez, seu principal aliado é o vice-prefeito Bruno Covas, que acumula o cargo de secretário-chefe da Casa Civil da Prefeitura paulistana. Covas ajudou Doria a atrair outros prefeitos, parlamentares e lideranças tucanas. O prefeito chega como favorito na disputa.

Apesar da pressão de aliados de Doria, Alckmin, pré-candidato ao Planalto, não interveio para apaziguar o partido e ainda encorajou os adversários do prefeito a não desistir das prévias. A preferência do governador era a articulação de um palanque único no Estado que teria como candidato seu vice, Márcio França (PSB). A ideia, porém, sofreu forte resistência interna no PSDB. 

Aliados de Aníbal, do secretário de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro, e do cientista político Luiz Felipe d’Ávila diziam neste sábado, 17, ter poucas esperanças de conseguir votos suficientes para levar as prévias para o segundo turno, que acontecerá no dia 25 caso nenhum pré-candidato consiga hoje mais de 50% dos votos. 

+++Articulação de Márcio França isola PT em São Paulo

O PSDB tem um colégio eleitoral de 308 mil eleitores, mas espera a presença de 15 mil a 25 mil tucanos nas urnas. Segundo o secretário-geral do partido, César Gontijo, serão impressas 150 mil cédulas.

Os adversários de Doria reclamam que a distribuição das urnas foi feita em favor do prefeito: são 55 na capital e 71 no interior. Eles também dizem que o processo de prévias foi açodado e criticam o fato de Doria não ter aceitado debater. 

Aníbal, d’Ávila e Pesaro responderam a um questionário feito pelo Estado com quatro perguntas. Apenas Aníbal evitou se comprometer em apoiar Doria, caso este vença. 

Os três criticaram a organização da disputa. “Foi um processo açodado, tumultuado e politizado. O propósito de ser um mecanismo de debate de ideias com a militância e de união do partido foi esvaziado”, afirmou d’Ávila.

Pesaro classificou como “confuso e com pouca transparência” o processo interno do PSDB. Aníbal disse que a votação é “propícia a fraudes”. 

Considerado aliado de Doria, Gontijo rebateu: “Aníbal tem mais intenção de prejudicar Doria do que fazer campanha”.

Tiroteio. O prefeito de São Paulo não participou do último debate entre pré- candidatos realizado neste sábado em uma universidade no centro da capital. 

+++Em debate, pré-candidatos do PSDB ao governo de SP pedem suspensão das prévias

Os três adversários de Doria defenderam a suspensão das prévias e colocaram o processo sob suspeição. “Não sou contra o Doria, mas o processo está errado. Vamos ter que enfrentar uma avalanche de fraudes”, disse Pesaro. 

Mais uma vez, as críticas mais duras ao prefeito partiram de Aníbal. “O propósito de Doria é se servir da política. Ele é um fator de desagregação no PSDB”, afirmou. 

Doria respondeu no mesmo tom. “O mesmo José Aníbal de hoje, em 2015 esperneou, criticou, entrou na Justiça e perdeu. José Aníbal é um perdedor contumaz”, disse o prefeito ao Estado. “Não tenho obrigação de ser gentil com quem é hostil. Perca com dignidade”, concluiu. 

A apuração dos votos das prévias deve começar no fim da tarde deste domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.