1. Usuário
Assine o Estadão
assine

  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
Entrevista. Wellington César Lima e Silva, novo ministro da Justiça

Titular da pasta sinalizou que não vai fazer mudanças na Polícia Federal e que teve uma conversa boa com o diretor-geral da corporação, Leandro Daiello

Pretendo manter o chefe da PF, diz novo ministro da Justiça

Adriano Ceolin

BRASÍLIA - Em entrevista exclusiva ao Estado, o novo ministro da Justiça, Wellington César Lima e Silva, disse que não vai trocar o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello.

"Tive uma conversa muito boa com o diretor-geral da PF, com o Leandro (Daiello). E o sinal foi tranquilo, de permanência. As coisas continuam como estão (na PF)", afirmou.

Ele teve uma conversa rápida com a reportagem nesta manhã, no intervalo de uma série de reuniões que já tem mantido no Ministério da Justiça desde segunda.

O novo ministro da Justiça, Wellington César Lima.
O novo ministro da Justiça, Wellington César Lima.

ESTADO - Ao candidatar-se ao posto de procurador-geral de Justiça, o senhor ficou em terceiro lugar na lista tríplice. 

Wellington: Foram seis candidatos. Eu estava distante da atividade institucional e me inscrevi no último dia e consegui entrar no terceiro lugar. O governador Jaques Wagner conversou com todos os candidatos e eu acabei sendo o escolhido. Na recondução eu fiquei em primeiro lugar com a maior votação da história.  

ESTADO - O sr. também foi criticado por ter "cooperado" com o governo Wagner.

Wellington: No que diz respeito à atitude cooperativa não hostil, eu acho que os entes públicos, de modo geral, devem se relacionar pautados num elevado padrão de tratamento recíproco. Qualquer que seja o ente. Em qualquer lugar que eu esteja, orientarei minha conduta por elevados padrões de tratamento sem transigir em absolutamente um milímetro da minha obrigação institucional.

ESTADO - É que o momento é delicado, ministro. Especula-se que o senhor deve trazer para o comando da Polícia Federal, Maurício Barbosa, que é o atual secretário de Segurança Pública na Bahia.

Wellington: Não considerei nenhuma hipótese ainda. A minha ideia inicial é avaliar todos os quadros do ministério e fazer os ajustes.

ESTADO - Mas o senhor faria uma mudança na PF, não?

Wellington: Não! Pelo contrário. Ontem eu tive uma conversa muito boa com o diretor-geral da PF, com o Leandro (Daiello). E o sinal foi tranquilo, de permanência, de que as coisas continuam como estão.

ESTADO - O sr. pretende mantê-lo, então?

Eu pretendo mantê-lo. Disse a ele que palavra de ordem é trabalhar normalmente.

ESTADO - Como foi a conversa?

Wellington: Leandro se revelou um servidor da maior qualidade. Eu tive a melhor impressão sobre ele.

ESTADO - Como o sr. vem da Bahia, a sua uma indicação foi feita pelo ministro Jaques Wagner...

Wellington: Só para registrar. A minha indicação foi feita pelo ministro José Eduardo Cardozo até onde eu sei. Ele e o ministro Jaques Wagner me disseram que a indicação partiu do ministro Cardozo. Nós já nos conhecíamos há algum tempo. Participávamos de encontros do Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais.

ESTADO - O sr. também já esteve com o procurador geral Rodrigo Janot. Tem boa relação com ele?

Wellington: Tenho uma relação institucional. Sem maior proximidade. Mas muito positiva.

ESTADO - Sua ligação com o ministro Jaques Wagner deixa a impressão que o Ministério da Justiça ficará subordinado à Casa Civil. Como responde a isso?

Wellington: Não existe isso. Não há a menor possibilidade. 

ESTADO - O sr. vai tentar marcar sua independência?

Wellington: Não é independência. Vou cumprir meu papel institucional onde quer que eu esteja. No Ministério Público ou no Ministério da Justiça, vou cumprir meu papel institucional.

ESTADO - A ordem da presidente Dilma é manter as investigações? O senhor chegou falar com ela sobre isso?

Wellington: A minha orientação pessoal e minha determinação é conduzir o Ministério da Justiça com absoluta fidelidade aos seus compromissos constitucionais.

ESTADO - O ministro Cardozo deixou o posto muito criticado por todos os partidos políticos, pelo PT, PMDB...

Wellington: A conjuntura e as condições do ministro José Eduardo Cardozo são particulares da sua história pessoal e estão vinculadas a essa dinâmica. A minha condição está presa à minha origem constitucional. Sou uma opção de natureza técnica. Não venho da atividade, do ambiente político. E pretendo dar uma modesta colaboração pautado sempre na observância da Constituição. Com respeito às decisões do Supremo Tribunal Federal e da Justiça do meu País.

ESTADO - A sua entrada no ministério da Justiça não significa uma mudança de rumos na pasta?

Wellington: Significa um novo personagem, mas pautado pelo mesmo quadro. E esse quadro é a Constituição e o desempenho das funções do ministro da Justiça. Agora eu preciso voltar para a minha reunião.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX