André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Prestes a assumir TSE, Fux diz que 2018 é um 'ano extremamente desafiador'

Ministro do Supremo Tribunal Federal sucederá Gilmar Mendes na presidência da Corte Eleitoral

Rafael Moraes Moura, Amanda Pupo, Carla Araújo e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2018 | 11h56

BRASÍLIA - Às vésperas de assumir a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux disse nesta quinta-feira, 1, que o ano de 2018 será "extremamente desafiador". Fux sucederá ao ministro Gilmar Mendes na presidência da Corte Eleitoral na próxima terça-feira, 6.

+ STF retoma trabalhos com pauta social​

+ 'É inadmissível e inaceitável desacatar a Justiça', diz Cármen em abertura do ano Judiciário

"É um ano extremamente desafiador, porquanto se trata do período de uma eleição mais expressiva do País, que são as eleições majoritárias Muito embora minha posse seja no dia 6 (de fevereiro), nós tivemos o cuidado de, nesse período de recesso, realizar uma série de reuniões para que não fôssemos surpreendidos por nenhuma novidade. E as novidades eu vou declará-las todas no discurso de posse", disse Fux a jornalistas, depois da sessão solene que marcou a abertura do ano judiciário do STF.

PAUTAS

Indagado sobre a pauta do plenário do Supremo, Fux ressaltou que cabe à presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, definir os temas que serão julgados pelos 11 ministros do tribunal.

"Eu entendo que a prioridade da pauta é um atributo específico da Presidência. De sorte que aquilo que ela escolher como prioridade, nós debruçaremos sobre os temas", comentou Fux.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.