Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Presidiário pede impeachment de Dilma a Cunha

Política

Adriano Machado/Reuters

Presidiário pede impeachment de Dilma a Cunha

Adriano Rodrigues de Oliveira escreveu à mão, em 25 de novembro de 2015, um pedido de impedimento contra a presidente e o remeteu ao STF, que o encaminhou ao presidente da Câmara

0

Daniel Carvalho e Daiene Cardoso,
O Estado de S.Paulo

28 Janeiro 2016 | 19h42

BRASÍLIA - Dos cinco pedidos de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff que repousam sobre a mesa do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), desde o ano passado um chama a atenção por causa de sua procedência: raio 5, cela 1, Penitenciária Masculina de Mairinque, em São Paulo.

Adriano Rodrigues de Oliveira, 39 anos, está preso desde outubro do ano passado na unidade prisional no interior de São Paulo, onde cumpre pena de dois anos de reclusão por porte ilegal de arma.

Inicialmente, a condenação previa regime semiaberto, mas, como ele não voltou ao Centro de Progressão Penitenciária de Porto Feliz do indulto do Dia das Mães, em maio passado, foi recapturado e agora cumpre a pena em regime fechado. Ele deve sair da cadeia somente em novembro de 2017.

Oliveira escreveu à mão, em 25 de novembro de 2015, um pedido de impedimento de Dilma porque, segundo ele, a petista “usou do cargo que ocupa como presidente e usou dinheiro do STU para estar pagando outras contas”. O missivista não explicou o que significa a sigla mencionada. Ele também afirma que a presidente “driblou” a Constituição e a “Lei da Improbidade Fiscal (pedalada)”.

“Isso está sendo divulgado pela mídia e revistas e jornais, está sendo investigado o gasto da sua campanha eleitoral pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), também sendo investigada pelo desvio de verba do BNDES e também pelo escândalo da Lava Jato. Deixando claramente o indício de corrupção da sua campanha como presidente da República”, escreve Oliveira.

A carta originalmente foi encaminhada ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, para que ele remetesse ao Legislativo. “Estou preso na Penitenciária Masculina de Mairinque e não tenho o endereço da Câmara dos Deputados Federais de Brasília (DF) para estar protocolando o pedido para o presidente da Câmara dos Deputados, Sr. Eduardo Cunha do (PMDB)”.

O detento escreve dizendo se manifestar “em nome dos presos, dos negros, indigentes, idosos, dos pobres e dos silenciosos”.

“Acreditando na sabedoria dos nobres julgadores da Câmara dos Deputados Federais, pedi que seja reconhecido o pedido e, nos méritos, seja deferido o pedido de impeachment”, disse Oliveira, baseado no “clamor do povo, da mídia, jornais”.

Em todo o ano passado, Eduardo Cunha manifestou-se a respeito de 32 pedidos de impeachment. Rejeitou 31. O único aceito foi aquele apresentado em outubro pelos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Júnior, Janaina Paschoal e Flávio Costa Pereira. O processo ainda não está em curso por causa de questionamentos feitos ao STF, mas deve seguir neste primeiro semestre.

Cunha rejeitou os dois únicos pedidos apresentados em dezembro contra o vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.