Presidente do TSE arquiva pedido para adiar o julgamento do mensalão

Carmen Lucia, ministra do STF, diz que argumentos apresentados por advogados são 'vagos e imprecisos'

Mariângela Galucci, de O Estado de S. Paulo

30 Julho 2012 | 19h31

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia Antunes Rocha, arquivou um pedido de advogados de São Paulo ligados ao PT para que ela ponderasse com seus colegas de STF que é inoportuno julgar a ação do mensalão durante o período eleitoral.

Os advogados manifestavam a preocupação sobre uma eventual influência do julgamento, que começa na quinta-feira, 2, nas eleições municipais de outubro. Ao despachar, Cármen Lúcia afirmou que não havia pedido ou requerimento relacionado às atribuições da Presidência do TSE.

Segundo a ministra, os advogados "valem-se de petição para externar preocupações e requerer o que seria indevida interferência deste Tribunal Superior Eleitoral na organização interna do Supremo Tribunal Federal".

"Além de serem vagos e imprecisos os argumentos apresentados, baseados em suposto desequilíbrio no processo eleitoral decorrente do julgamento da ação penal mencionada, é de primário conhecimento não caber a este Tribunal Superior Eleitoral representar junto ao Supremo Tribunal Federal preocupações e interesses de réus em qualquer ação penal ali em tramitação, ainda que sejam candidatos ou dirigentes de partidos políticos", disse Cármen Lúcia.

Mais conteúdo sobre:
mensalao TSE Carmen Lucia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.