1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Presidente do Supremo rebate Lula e diz que Tribunal 'jamais esteve acovardado'

- Atualizado: 18 Março 2016 | 13h 11

'A história do Supremo é de coragem e de protagonismo respeitando a Constituição nos momentos de crise', afirmou o ministro Ricardo Lewandowski

O presidente do STF, Ricardo Lewandowski
O presidente do STF, Ricardo Lewandowski

Brasília - Em  mais uma reação às declarações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, afirmou nesta sexta-feira, 18, que o Tribunal "jamais esteve acovardado".

"A história do Supremo é de coragem e de protagonismo respeitando a Constituição nos momentos de crise", afirmou.

Lewandowski defendeu que, apesar da crise política, as instituições continuavam funcionando. Ele participou nesta sexta de um Simpósio Jurídico do Comando Militar da Amazônia, em Manaus. 

Em gravações de conversas telefônicas divulgadas pela Operação Lava Jato, Lula aparece fazendo críticas aos ministros do Supremo, e dizendo que a Corte estava "acovardada" diante das decisões que estão sendo tomadas pelo juiz Sérgio Moro, da primeira instância.

O teor das críticas de Lula incomodou os ministros. Na sessão de quinta-feira, o decano da Corte, Celso de Mello, disse que a fala de Lula ofendeu o Poder Judiciário e era "típica de mentes autocráticas e 

arrogantes".

Também na quinta, Lula divulgou uma carta aberta para se defender das críticas que recebeu dos ministros do STF. Ele também disse confiar no "discernimento, no equilíbrio e no senso de proporção de ministros e ministras".

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX