1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Presidente do PT no Rio diz não fazer questão de Dilma em festa da sigla

- Atualizado: 25 Fevereiro 2016 | 13h 58

Washington Quaquá integra o grupo de petistas que não aceitam a política econômica do governo

A presidente Dilma Rousseff, em reunião com juristas sobre impeachment
A presidente Dilma Rousseff, em reunião com juristas sobre impeachment

Rio - O presidente do PT-RJ, Washington Quaquá, afirmou nesta quinta-feira, 25, que não faz questão da presença da presidente Dilma Rousseff na festa de 36 anos do partido, que serão comemorados neste sábado, 27, com show do sambista Diogo Nogueira e da bateria da Portela, na zona portuária do Rio. Quaquá integra o grupo de petistas que não aceitam a política econômica do governo.

A insatisfação foi agravada com a aprovação, na noite de quarta-feira, 24, do projeto do senador José Serra (PSDB-SP) que desobriga a Petrobrás de ser operadora única e ter participação mínima de 30% na exploração da camada do pré-sal. Pouco antes da votação, o governo negociou com o relator do projeto, Romero Jucá (PMDB-RR) , que a Petrobrás tenha pelo menos o direito de preferência em futuras licitações. 

Questionado sobre a possibilidade de Dilma não ir à festa, por estar contrariada  com a reação do PT contra o ajuste fiscal, Quaquá respondeu: "Eu não faria questão da presença dela, mas falo em meu nome, não do partido". Quaquá defendeu que o PT deixe claras as divergências com as medidas defendidas pelo governo, como a reforma da Previdência. "Quem está contrariado com ela (Dilma) somos nós, por causa do pré-sal. O acordo com o PSDB ontem vai consolidando o movimento que está jogando fora a política econômica do (ex) presidente Lula. O governo está se distanciando muito no nosso projeto. O PT tem que pressionar de maneira mais dura", disse o dirigente petista, também prefeito de Maricá, no litoral fluminense. 

Nesta sexta-feira, 26, o Diretório Nacional do PT se reúne no Rio e deverá aprovar um documento com críticas à política econômica. No dia seguinte, a festa de aniversário acontecerá no espaço batizado Armazém da Utopia, onde serão esperadas 3 mil pessoas. O PT não informou os gastos com a festa. A assessoria de Diogo Nogueira também não informou o cachê do artista. Disse que é um contrato profissional "como qualquer outro" e que o sambista não tem vínculo com o partido.

No carnaval do ano passado, a prefeitura do Rio pagou R$ 95 mil pela apresentação de Diogo e sua banda no Terreirão do Samba. No réveillon de 2013, quando os artistas cobram cachês bem mais altos, o show de Diogo na Praia de Copacabana custou à prefeitura R$ 250 mil. 

A bateria da Portela foi contratada pelo PT por R$ 7 mil, segundo a assessoria da escola de samba. A apresentação terá 12 ritmistas, um mestre de bateria, um cantor, quatro passistas, casal de mestre-sala e porta-bandeira e um diretor responsável pela organização.

Na reunião do Diretório Nacional e na festa petista, haverá desagravo ao presidente Lula, investigado por força-tarefa da Operação Lava Jato, por suspeita de ser proprietário oculto do sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), onde empreiteiras com contratos com a União fizeram obras de benfeitorias. 

O presidente do PT-RJ reclamou do fato de a Polícia Federal não ter até agora aberto inquérito para investigar suspeita de que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, tenha recorrido a uma empresa privada para mandar dinheiro para o exterior à jornalista Mirian Dutra, com quem manteve um relacionamento nos anos 1990.  Mirian disse ao jornal Folha de S. Paulo que Fernando Henrique usou a empresa Brasif S.A. para enviar recursos a ela. O ex-presidente tucano negou ter qualquer relação com contrato de prestação de serviço assinado entre a jornalista e a empresa. 

"A Polícia Federal não investiga o Fernando Henrique, só o barquinho do Lula", reclamou Quaquá. O presidente do PT-RJ refere-se à notícia de que, em 2013, a mulher de Lula, Marisa Letícia, comprou um barco de alumínio e mandou entregar no sítio. Lula nega ser dono oculto da propriedade, que está em nome dos empresários Fernando Bittar e Jonas Suassuna. "Vamos prestigiar o Lula. É preconceito achar que pobre não pode ascender socialmente. Para nossos adversários, os petistas não podem pegar o elevador social", afirmou Quaquá.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX