1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Presidente do PP diz não conhecer Alberto Yousseff

EDUARDO BRESCIANI - Agência Estado

06 Abril 2014 | 20h 52

O presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), manifestou "surpresa" com a revelação de que o doleiro Alberto Yousseff intermediou doações ao partido. Ele ressaltou que não comandava a legenda na época das doações, mas afirmou que o PP está à disposição para prestar quaisquer informações que forem requeridas pelos órgãos que investigam o caso.

"É uma surpresa. É uma figura que eu não conheço. O que posso dizer é que o partido está disposto a prestar todo o auxílio a todas as instituições que tratam do caso. Não vou fazer prejulgamentos", disse o senador. "Temos interesse em esclarecer tudo porque isso pode prejudicar a imagem do partido. Caso tenha ocorrido algum desvio, isso tem de ser apurado", complementou.

Presidente do PP da Bahia, o deputado Mário Negromonte negou que tenha havido atuação de Yousseff na captação de recursos para o partido "Não existe intermediação através do Alberto Yousseff. A intermediação foi com a empresa. Sou pernambucano e conheço muita gente da Queiroz Galvão", afirmou.

O deputado Nelson Meurer (PP-PR) afirmou que a doação foi recebida após um pedido feito por ele ao diretório nacional do partido. "Eu fiz a solicitação ao partido. Até me ligaram para dizer que a Queiroz Galvão só faria a doação de forma legal e eu respondi dizendo que era justamente o que eu queria. Foi tudo pelo partido", disse o deputado ao jornal O Estado de S.Paulo.

O presidente em exercício do PMDB, Valdir Raupp (RO), não retornou as ligações, assim como o senador Francisco Dornelles (RJ), presidente do PP em 2010. Os deputados Aline Corrêa, Roberto Teixeira e Roberto Brito não foram localizados. Pedro Henry e Pedro Corrêa estão presos. Seus advogados foram procurados, mas não foram localizados.