1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Presidente do Conselho de Ética acionará o Supremo contra manobras de Cunha

- Atualizado: 17 Fevereiro 2016 | 15h 40

José Carlos Araújo anunciou ao colegiado que vai entrar com mandado de segurança para 'prevenir arbitrariedades'

O presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo
O presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo

Brasília - O presidente do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, José Carlos Araújo (PSD-BA), anunciou aos membros do colegiado que entrará com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir o funcionamento de forma autônoma e independente do grupo no processo disciplinar contra o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O recurso deve ser impetrado possivelmente nesta quinta-feira, 18.

Araújo reclamou que decisões da Mesa Diretora, mais especificamente do vice-presidente Waldir Maranhão (PP-MA), em favor do peemedebista, interferiram no andamento do processo por quebra de decoro parlamentar. O presidente do Conselho disse que o objetivo é "prevenir arbitrariedades". "Espero que o apelo seja atendido", afirmou.

Nessa terça, Araújo informou que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) havia indicado Claudio Pereira de Souza Neto, mas agora à tarde a assessoria da entidade informou que nenhum advogado da OAB está atuando no mandado de segurança.

Nesta tarde, o colegiado está reunido para ouvir a leitura do relatório do deputado Marcos Rogério (PDT-RO). A expectativa é que haja concessão de vista ao processo. Foi por causa da não concessão de vista processual ao peemedebista Carlos Marun (MS) que o vice-presidente da Câmara, aliado de primeira hora de Cunha, deferiu um recurso que obrigou o processo a voltar à fase da discussão da admissibilidade.

No mandado de segurança produzido pelo comando do Conselho de Ética, os conselheiros alegam que a decisão de Maranhão favorecendo Cunha é ilegal porque Marun não recorreu primeiramente ao colegiado e porque o vice-presidente não ouviu Araújo antes de proferir sua decisão. Os consultores jurídicos não puderam assinar a petição porque não podem entrar com ações contra a instituição onde trabalham e, principalmente, por temer retaliações de Cunha.

No começo da reunião, o petista Zé Geraldo (PA) questionou o andamento do processo contra Cunha e disse estar inseguro sobre as deliberações do colegiado. "Será que não temos de continuar seguindo todas as vírgulas desse regimento? Estou incomodado porque a bancada do PT não está aqui com essa intenção (de que o processo não tenha fim). Se dependesse de nós, já teríamos despachado esse processo para o plenário. Parece que Cunha está fazendo nós de bobos. Quero ser tranquilizado", disse.

Troca-troca. Nesta quarta, o deputado Wladimir Costa (SD-PA) reassumiu a vaga no Conselho no lugar de Paulo Pereira da Silva (SD-SP), que renunciou ao posto. O paulista havia assumido a titularidade em novembro passado, quando o deputado do Pará se licenciou por, oficialmente, motivos de saúde.

As constantes trocas no grupo provocaram indignação entre os membros. "Todo dia está tendo mudanças", protestou Onyx Lorenzoni (DEM-RS), criticando a substituição de titulares sem o preenchimento da vaga por um suplente. Ontem foi a vez de a deputada Jozi Araújo (PTB-AP) ser indicada para a vaga de Nilton Capixaba (PTB-RO), que havia substituído o titular Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP).

A tropa de choque de Cunha abriu a sessão pedindo o cancelamento dos trabalhos por falta de quórum. O deputado Manoel Júnior (PB) cobrou, passada meia hora do horário marcado, que fosse suspensa a sessão e remarcada porque só estavam presentes oito deputados, quando o quórum mínimo é de 11 presentes. O presidente do Conselho, José Carlos Araújo (PSD-BA), disse que não era obrigado a seguir essa regra, uma vez que o quórum foi alcançado na sequência. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX