1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Presidente da Firjan se posiciona a favor do processo de impeachment

- Atualizado: 17 Março 2016 | 18h 35

Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira disse que empresários estão 'horrorizados' com o momento atual

RIO - O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, se posicionou na tarde desta quinta-feira, 17, em coletiva de imprensa, a favor do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Para ele, a crise "atingiu o seu ápice" nesta quarta.

"Achamos que o domingo (dia de manifestações no País) tinha sido o ápice, mas ontem a temperatura subiu muito, na constatação da imoralidade que está prevalecendo no governo. E a sociedade não aguenta mais", afirmou a jornalistas na sede da Firjan, no centro do Rio.

Momentos antes, Gouvêa participou de uma reunião com representantes de federações dos Estados de São Paulo, Espírito Santo, Pará e Paraná para discutir a situação. Ele afirmou que os empresários estão "horrorizados" com o momento atual. Foi decidido que cada um irá conversar com seus representantes no Parlamento.

"A democracia do Brasil está em teste, lutamos muito por essa democracia e agora chegou a hora em que temos que testá-la na base da discussão e do verbo. Essa discussão vai se dar no Congresso Nacional", afirmou.

De acordo com Gouvêa, a Firjan defende que os parlamentares sejam pressionados para "entregar à sociedade um País melhor". "Façam o que seja necessário para que tenhamos um governo normal".

O presidente da entidade defendeu ainda que há uma "travessia curta" a ser feita. "Podemos ter um novo governo no início de maio, se o Congresso trabalhar na direção que precisa trabalhar", afirmou. "(Vamos) mostrar aos parlamentares da obrigação deles, de votar para o Brasil, mudando a presidente do Brasil o mais rapidamente possível. Não podemos continuar nessa pasmaceira", disse.

Ele criticou ainda o fato de Brasília estar paralisada. "Hoje, em Brasília, ninguém discute projeto, se discute como o governo vai continuar se mantendo. Nós, sociedade, temos que dar um basta nisso. Precisamos de governo."

Questionado sobre o seu posicionamento a respeito da nomeação de Luiz Inácio Lula da Silva para o Ministério da Casa Civil, ele disse que "não é bom exemplo para ninguém". "Imagina numa empresa alguma coisa feita nessa direção. Uma trapalhada que não faz o menor sentido para pessoas normais, para brasileiros de bom senso".

O presidente da Firjan afirmou ainda acreditar que quanto mais cedo a questão atual for resolvida, mais cedo se sairá da crise. "Nós chegamos ao teste da nossa democracia e certamente passaremos nele, sairemos um País mais maduro, o sofrimento leva a maturidade. Temos instrumentos para fazer isso no curto prazo."

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX