Pré-candidatura surgiu de ‘circunstâncias’ do PSDB, afirma Doria

Prefeito tucano se defende das críticas que recebeu após decisão de concorrer ao Governo do Estado

Daniel Weterman, Agência Estado

15 Março 2018 | 05h05

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), minimizou nesta quarta-feira, 14, a polêmica em torno de sua decisão de se candidatar ao governo do Estado, mesmo depois de ter reiterado por diversas vezes e até assinado um documento no qual afirma que iria cumprir os quatro anos de seu mandato. “Firmar um documento ou não firmar um documento tem o mesmo valor, independentemente de documento ou não”, disse Doria após abertura do Fórum Econômico Mundial sobre América Latina, em São Paulo.

O prefeito se referia à “Carta de Comprometimento” que assinou, ainda como candidato, durante uma entrevista ao site Catraca Livre em 16 de setembro de 2016, no qual se comprometeu a cumprir “integralmente” o mandato “nos anos de 2017, 2018, 2019 e 2020” caso fosse eleito. 

Nesta quarta, Doria justificou sua mudança de postura. “As circunstâncias sobretudo do meu partido determinam e impõem que eu dispute as eleições.” O pré-candidato ao governo disse ainda que São Paulo “ganha, e não perde” com sua ida ao Palácio dos Bandeirantes. 

Doria afirmou que sua pré-candidatura foi colocada para dar força à eleição do governador Geraldo Alckmin à Presidência da República. Segundo o prefeito, Alckmin, presidente nacional do PSDB, não deve interferir nas prévias tucanas para a sucessão estadual.

Skaf. O presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, afirmou no mesmo evento ser pré-candidato ao governo de São Paulo pelo MDB. O partido, de acordo com ele, deu o aval. 

“Não sou eu que estou me colocando como pré-candidato, o MDB me coloca como pré-candidato ao governo de São Paulo”, afirmou. Skaf descartou ainda abrir mão de uma candidatura para se aliar ao PSDB. Ele disse que a única condição para uma aliança é oferecer a vaga de vice ou as candidaturas ao Senado para a legenda tucana. Doria disse que ficou surpreso com o anuncio de Skaf. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.