Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Pré-candidatos criam 'carimbo' fake news

Sites ou páginas em redes sociais de nomes mais cotados para a Presidência têm seções para desmentidos, nem sempre informações falsas

Gilberto Amendola, O Estado de S. Paulo

19 Fevereiro 2018 | 03h00

Partidos e pré-candidatos à corrida presidencial criaram “carimbos” de fake news para classificar o que chamam de notícias falsas ou ataques pessoais. Os nomes mais cotados para a disputa eleitoral já têm em seus respectivos sites ou páginas do Facebook seções para desmentidos. Nem sempre, porém, o foco é exclusivamente informações comprovadamente falsas. 

No site do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que aparece em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, há uma seção chamada “Desmentindo Falácias”. Ela tem sido usada pelo staff do candidato para rebater ou contestar informações, como a de que o deputado teria recebido R$ 200 mil em doações da Friboi, na campanha de 2014.

O texto do desmentido no site de Bolsonaro é esse: “Na campanha eleitoral de 2014, o Partido Progressista, deliberadamente e sem meu consentimento, depositou o valor de R$ 200.00,00 em minha conta eleitoral, a título de repasse de doação feita pela JBS – S/A (Friboi) ao Diretório Nacional. Infelizmente, por má-fé de alguns ou desconhecimento, apenas parte da prestação de contas disponível no site do TSE tem sido exposta com o claro intuito de comprometer minha conduta”. A assessoria do deputado foi procurada, mas não se manifestou.

Embora tendo a condenação confirmada pelo Tribunal Regional da 4.ª Região (TRF-4), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda aparece em primeiro lugar nos levantamentos sobre a intenção de votos do eleitor. Na página do Instituto Lula, existe uma seção para desmentir mitos como aquele que diz que Lula teria aparecido na capa da revista Forbes como o homem mais rico do Brasil ou o boato de que ele já estivesse morto. Sobre fake news e a campanha petista, a assessoria de imprensa do ex-presidente apenas afirmou que “ele (Lula) já entrou com ações no passado contra fake news”.

Leia mais - 'Alienação eleitoral é alta no Brasil mesmo com voto obrigatório'

O site do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), também tem um espaço chamado “Anti-fake News”. “A seção tem como objetivo desmentir, com fatos, o que é publicado de mentiroso nas redes”, afirmou um dos responsáveis pelo site, Daniel Sampaio. “É um tema bastante complexo. Às vezes, o desmentido pode dar mais visibilidade para uma mentira. Então, avaliamos caso a caso se é realmente necessário desmentir. Se é uma fake news que só circula em um nicho muito de direita ou muito de esquerda, na maioria das vezes, não interferimos.”

‘Acordo’. Na campanha de 2014, a hoje pré-candidata Marina Silva (Rede) já tinha um espaço exclusivo para rebater o que na época ela chamava de boatos, já que o termo fake news ainda não estava em voga. “Usaram muita fake news contra a Marina em 2104. Claro, estamos nos preparando para esse tipo de ação também, mas estamos propondo um acordo entre os partidos, um acordo para uma campanha limpa e sem a utilização desse tipo de artifício. O nosso compromisso tem que ser com a verdade”, disse um dos coordenadores da Rede, Zé Gustavo. Assim como outros partidos, a Rede deve ter uma equipe para identificar e denunciar notícias que considerem falsas ou difamatórias.

Leia mais - Márcio França começa a montar governo pós-tucano

Pré-candidata pelo PCdoB, Manuela D’Ávila tem publicado vídeos como o “desfazendo algumas mentiras que rolam na internet”. Para Marcelo Branco, ex-diretor-geral do Campus Party Brasil e ligado à futura campanha de Manuela, o desafio é combater a fake news como um mal comum, um mal que afetaria o próprio funcionamento da democracia. “O desafio também é o de fazer esse combate sem ameaçar a liberdade de expressão.” 

A avaliação do coordenador do Movimento Transparência Partidária, Marcelo Issa, vai na mesma linha. “Os partidos e a sociedade precisam combater as noticias falsas para que não se altere o próprio jogo democrático.” 

Para o editor do site Boatos.org – página especializada em checar notícias que são divulgadas por meio de redes sociais e WhatsApp –, o jornalista Edgard Matsuki, as eleições de 2018 já vão contar com a expertise do pleito anterior – onde, segundo ele, havia muita fake news circulando. “Estamos mais preparados para identificar e desmentir essas histórias com rapidez e sem margem para dúvida”, disse. “As pessoas precisam ler com olhos críticos e sempre se perguntar se a fonte daquela informação é confiável.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.