1. Usuário
Assine o Estadão
assine


PR confirma apoio à candidatura de Dilma

Tânia Monteiro - O Estado de S. Paulo

30 Junho 2014 | 11h 57

Anúncio ocorre dias depois de Dilma acatar pedido da legenda para trocar o ministro dos Transportes; aliança assegura 1 minuto a mais no tempo de TV

Publicado às 13h49

Brasília - A Executiva do PR confirmou nesta segunda-feira, 30, apoio à candidatura da presidente Dilma Rousseff à reeleição. A presidente recebeu 23 dos 24 integrantes da Executiva, liderada pelos senadores Alfredo Nascimento (AM) e Antônio Carlos Rodrigues (SP), para encontro no final desta manhã, no gabinete da presidente no Palácio do Planalto. Na semana passada, Dilma acatou pedido da legenda para trocar o comando do Ministério dos Transportes.

O partido assegurou ainda à presidente Dilma o tempo de TV do PR: um minuto e oito segundos. "Dos 24 membros, 23 (votos) foram para o PT, pró-Dilma e um voto para o PSDB, do líder Bernardo Santana de Vasconcelos (PR-MG), que mandou procuração e votou pelo apoio ao Aécio (Neves, candidato tucano ao Planalto)", disse Nascimento.

Questionado se o tempo de TV foi significativo na hora de apoiar a aliança. Nascimento respondeu: "Naturalmente que é importante. É um minuto e oito segundos e isso dobrado, são 2 minutos e 16 segundos (diários, contando os dois blocos de propaganda), que deixam de ir pro adversário."

De acordo com Nascimento, a troca do ministro César Borges do Ministério dos Transportes para a Secretaria de Portos foi um gesto que fez com que o PR "entendesse a boa vontade do governo" e "fizesse a opção" de apoiar a reeleição de Dilma. No lugar de Borges, a presidente colocou Paulo Sérgio Passos nos Transportes, que já havia ocupado a pasta.

O presidente do PR, Alfredo Nascimento, fez questão de ressaltar, no entanto, que a escolha do nome de Paulo Sérgio Passos para os Transportes não foi do partido, mas uma decisão da presidente Dilma. "O gesto do governo de afastamento (de César Borges), colocando um outro ministro que também não é indicação nossa, foi escolha da presidente", lembrou o senador. O PR ameaçou retirar apoio à Dilma se César Borges não deixasse o cargo. O ex-deputado Valdemar Costa Neto, condenado pelo Mensalão, comandou a revolta do PR contra o Planalto.

Depois do encontro, o senador Antônio Carlos Rodrigues disse que a presidente comemorou e agradeceu o apoio do PR, relembrando que estão juntos desde 2002, com a chegada do ex-vice presidente José Alencar. Falaram sobre a situação da coligação PR e PT nos demais estados. "A conversa foi ótima e descontraída. A presidente comentou até a tensão que viveu no jogo (de sábado, entre Brasil e Chile)", disse o senador. O ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, também participou da audiência.

Na semana passada, após acertar a troca nos Transportes, a presidente disse, na convenção nacional do PSD, que "engana-se quem defende a tese de que não há compatibilidade entre a lealdade à política". Questionado pelo Broadcast Político se havia faltado lealdade do PR ao Planalto, o prefeito de Salesópolis (SP), Benedito Rafael da Silva, que participou da reunião com Dilma no Planalto, afirmou que o "PR sempre foi leal" à presidente.

  • Tags: