PP emplaca Negromonte em Cidades

Ex-líder do partido na Câmara é o 20º nome da equipe; Dilma deve definir os outros 17 até dia 22

Eugênia Lopes, de O Estado de S.Paulo,

15 Dezembro 2010 | 20h30

BRASÍLIA - Mesmo sem apoiar oficialmente a eleição de Dilma Rousseff para a Presidência, o PP vai manter o comando do Ministério das Cidades. O ex-líder do partido na Câmara Mário Negromonte (BA) deverá ser o futuro ministro, no lugar de Márcio Fortes. Dilma vai anunciar o restante de seu ministério nesta sexta-feira, 17, dia em que será diplomada como presidente pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ou, no máximo, na segunda-feira.

 

Para fechar o xadrez ministerial, Dilma ainda precisa definir os nomes de 17 ministros, entre eles o titular do Ministério da Saúde e em que pasta ficará Ciro Gomes, do PSB. "As pastas do PSB são Integração Nacional e Portos e Aeroportos. Não existe outro cargo. Isso é assunto vencido", disse o governador do Ceará, Cid Gomes, irmão de Ciro.

 

Cid esteve nesta quarta-feira, 15, em Brasília para participar da solenidade de balanço dos oito anos de governo Lula. Segundo ele, seu irmão, que se encontra em viagem à Europa, deveria dar ontem a resposta sobre sua participação no futuro governo. Ciro só deve voltar do exterior no dia 22.

 

O presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, deveria conversar com Dilma ontem à noite, em São Paulo, sobre os nomes do partido para o futuro governo. Campos indicou o ex-prefeito de Petrolina e atual secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, Fernando Bezerra Coelho. Se Ciro for para a Integração Nacional, Bezerra vai para a Secretaria de Portos e Aeroportos, e vice-versa.

 

Mulheres

 

Um mês e meio depois de eleita, Dilma confirmou até agora 20 ministros. Apesar dos apelos da presidente eleita pela indicação de uma mulher para o Ministério dos Esportes, a cúpula do PC do B estava irredutível nesta quarta-feira na manutenção de Orlando Silva como titular da pasta. Um dos nomes cogitados para o posto é o da ex-prefeita de Olinda e deputada eleita Luciana Santos (PE).

 

Dos 20 ministros confirmados, 10 são do PT, 6 do PMDB, 1 do PR e 3 não têm filiação partidária. Apesar de ficar com seis pastas, o PMDB ficará menor do que no governo Lula. Isso desagradou ao partido, que já está de olho nos cargos de segundo escalão.

 

O PT, por sua vez, também saiu insatisfeito com o ministério montado por Dilma. Apesar de contar com dez pastas até agora, as bancadas do partido na Câmara e no Senado reclamam do excesso de paulistas na equipe. Dos 20 ministros confirmados até agora, 4 perderam as eleições em outubro.

 

Filiado ao PV, o ministro da Cultura, Juca Ferreira, quer permanecer no cargo, mas ainda não recebeu nenhum sinal de Dilma. "Não estou ansioso. Faço disso uma ioga, um procedimento para acalmar e manter o equilíbrio", brincou Ferreira.

Mais conteúdo sobre:
Transição Cidades PP emplaca Negromonte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.