1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Políticos da oposição também são alvo de manifestantes pelo Brasil

- Atualizado: 13 Março 2016 | 18h 40

Os tucanos Geraldo Alckmin e Aécio Neves foram hostilizados em ato na Av. Paulista; afastamento de Cunha também foi pedido

Aécio Neves e Geraldo Alckmin não ficaram mais de 30 minutos na avenida Paulista. O senador e o governador foram hostilizados por parte dos manifestantes presentes no local

Aécio Neves e Geraldo Alckmin não ficaram mais de 30 minutos na avenida Paulista. O senador e o governador foram hostilizados por parte dos manifestantes presentes no local

São Paulo - As manifestações deste domingo, 13, pelo Brasil tiveram como moto principal o "fora Dilma" e "fora PT". Em algumas cidades, no entanto, políticos de oposição também foram alvo de protestos. Entre cartazes pedindo o fim da corrupção e o afastamento da presidente, enocntravam-se também mensagens crítica ao presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ).  Em São Paulo, os tucanos Geraldo Alckmin, governador do Estado, e Aécio Neves, senador e presidente nacional do PSDB, foram aplaudidos, mas também hostilizados.

Em rápida passagem pela manifestação na Av. Paulista, Alckmin e Aécio desistiram de discursar sobre o carro de som do Movimento Brasil Livre (MBL), um dos organizadores do ato de ontem. Ambos foram alvo de palavras de ordem como "oportunistas", "ladrão" e "Fora Aécio! Fora Alckmin! "O próximo é você". Um por causa das denúncias envolvendo a merenda escolar em São Paulo, e outro pelas citações a seu nome na Operação Lava Jato.

Manifestantes vão às ruas de todo o País para protestar contra o governo Dilma
Wilton Junior/Estadão
Contra a corrupção

Neste domingo (13), manifestantes vão às ruas de norte a sul do País para protestar contra a corrupção. Os principais alvos da insatisfação são o governo Dilma, o ex-presidente Lula e o PT. Além do pedido de Impeachment da atual presidente, apoios ao juíz federal Sérgio Moro e à Operação Lava Jato também são registrados

Em resposta às manifestações, Aécio disse que "todas as citações têm que ser investigadas e elas estão desmontando porque são falsas". Três, das quatro citações feitas a ele por delatores no âmbito da Operação foram arquivadas. A mais recente teria sido feita na tratativa de delação do senador Delcídio Amaral (PT-MS), ainda não homologada.

O governador disse que sua primeira participação "como cidadão" em manifestações de rua pró-impeachment não compromete a relação institucional com o governo federal. "Venho como cidadão porque acho que no momento grave cada um de nós deve dar sua contribuição, ajudar o País a superar o mais rápido possível essa crise", afirmou.

Convidado pelos organizadores do “Vem Pra Rua” a discursar no ato do Rio de janeiro, o deputado federal Otávio Leite (PSDB-RJ) usou os microfones do movimento para declarar publicamente seu voto a favor do impeachment da presidente, mas também para pedir que o Conselho de Ética da Câmara dê continuidade ao processo de cassação contra Cunha. Ele foi saudado pelos manifestantes.

Avenida Paulista é tomada por manifestantes vestidos de verde e amarelo
Daniel Teixeira / Estadão
Manifestação

A Polícia Militar chegou a restringir o acesso de pessoas à Avenida Paulista. O argumento foi o excesso de pessoas no local

Em Franca, no interior de São Paulo, Aécio e Marina Silva também não foram poupados. "Aquele mauricinho fica lá e está fazendo o quê? Nada.", discursou um dos organizadores em um palanque montado na Concha Acústica. Depois emendou: "E a Marina? Fica lá igual a um boneco na selva... Será que ela está na rua?". Em seu perfil no Twitter, a ex-senadora publicou um comunicado de seu partido, o Rede Sustentabilidade, que defende o direito de livre manifestação de ideias e o aprofundamento das investigações da Operação Lava Jato. "Quanto mais evidentes os indícios de que a corrupção da Petrobras foi a base financeira da campanha do PT-PMDB, maior o imperativo ético de uma resposta via Tribunal Superior Eleitoral (TSE)", destacou o partido a respeito da chapa de Dilma Rousseff e Michel Temer nas eleições de 2014.

Em Maceió, não faltaram palavras de ordem contra os três senadores alagoanos Renan Calheiros (PMDB-AL), Fernando Collor (PTB-AL) e Benedito de Lira (PP-AL). (COLABORARAM CARLOS NEALDO, RENE MOREIRA E VINICIUS NEDER)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX