Polícia utiliza tarjas para preservar investigação

Por se tratar de investigação na 1.ª instância da Justiça, o relatório da Polícia Federal sobre as anotações do empresário Marcelo Odebrecht, revelado pelo Estado na terça-feira passada, possui tarjas pretas cobrindo os nomes de políticos.

O Estado de S. Paulo

22 Julho 2015 | 23h00

A medida da PF, de cobrir os nomes, tem como objetivo preservar as investigações. As tarjas estão sobre as citações feitas a políticos que detêm, conforme a lei, foro privilegiado perante os tribunais superiores.

Com várias siglas e referências a obras e aos políticos, o relatório consta das investigações da 14.ª fase da Lava Jato que correm na 1.ª instância na Justiça Federal no Paraná.

Essa prática utilizada pela Polícia Federal é corriqueira quando a investigação depara com nomes e dados pessoais (como telefones) de parlamentares que só podem ser julgados perante o Supremo Tribunal Federal. A partir do relatório, os investigadores transcrevem mensagens que citam várias siglas e levantam dados de contatos e agenda no aparelho do executivo que, de acordo com os próprios investigadores e conforme divulgado pelo Estado, indicam nomes de políticos.

Em alguns casos, há registros de reuniões do empreiteiro com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), em outubro de 2014. O governador admitiu ter se encontrado com Odebrecht. Também há registro de reunião com o vice-presidente Michel Temer. No caso de Alckmin e Temer, os nomes não foram preservados porque apareciam citados na agenda em reuniões oficiais com o empreiteiro.

Mais conteúdo sobre:
Operação Lava Jato

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.