Polícia Civil realiza perícia em cela de Garotinho para apurar agressão

Laudo com imagens de câmeras instaladas em presídio deve ficar pronto em sete dias

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2017 | 15h24

RIO - A Polícia Civil realizou, nesta quarta-feira, 29, uma perícia na cela onde ficou o ex-governador do Rio Anthony Garotinho (PR) na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte do Rio. O objetivo, segundo o delegado Wellington Vieira, da 21ªDP (Bonsucesso), é esclarecer se Garotinho foi mesmo agredido, quando estava na madrugada de sexta-feira, 24, como o político alegou.

+++ Garotinho passa primeira noite em Bangu e família protesta

De acordo com o delegado, o trabalho foi feito por três peritos engenheiros da Polícia Civil, que vão constatar se há pontos cegos nas câmeras instaladas no presídio. O laudo deverá ficar pronto em sete dias. "Vamos analisar se o sistema de filmagem do local é eficiente ou não, e se é possível ter alguma falha nas gravações", disse o delegado ao Estado.

+++ Garotinho é punido e será transferido a Bangu 8

Vieira também contou que, na próxima segunda-feira, 4, vai colher depoimentos de sete detentos que estão presos no local. Um deles será o ex-secretário de Saúde do Rio Sérgio Côrtes, que aparece nas imagens do presídio prestando atendimento médico ao ex-governador. "Queremos saber se eles ouviram algo de anormal no dia em que Garotinho relata ter sido agredido", afirmou.

O delegado disse ainda que também vai ouvir os seguranças que ficam na porta do presídio, mas adiantou que acha difícil a possibilidade de que alguém estranho tenha invadido o local. "Da portaria da prisão até a cela onde ele estava preso existem 12 portas, que ficam trancadas com cadeado. Acho difícil o acesso de alguém estranho, sem que ninguém possa ter visto", disse o delegado.

Os agentes penitenciários que trabalhavam no momento da suposta agressão já prestaram depoimento. Um laudo do Instituto Médico Legal (IML) comprovou as lesões de Garotinho, em um dos pés e nos joelhos, mas não conseguiu atestar se foram em decorrência de agressão. O documento só conseguiu atestar que as feridas foram provocadas por "ação contundente", segundo o delegado.

Em depoimento, Garotinho disse ter sido atingido por um homem branco, com um taco de beisebol, que teria feito ameaças ao investigado, dizendo que "falava demais". Na terça-feira, 28, o Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ) requereu formalmente à Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap) as imagens de vídeo gravadas na cadeia. A solicitação das imagens foi feita após o MP receber denúncia de possível edição do vídeo oferecido pela Seap.

Mais conteúdo sobre:
Anthony Garotinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.