Polícia atribui morte de prefeito a briga por poder

Briga por poder foi a motivação do assassinato do prefeito Braz Paschoalin (PSDB), de Jandira (SP), segundo conclusão da polícia. "Não há comprometimento político-partidário, o que fica evidente é que o prefeito ou fechou uma torneira que estava aberta ou não deixou abrir. Só existem essas duas possibilidades", disse o delegado Zacarias Katzer Tadros, que investiga o caso. "Braz impediu alguém que queria ter acesso a alguma coisa ilícita, a valores do poder municipal."

AE, Agência Estado

29 Dezembro 2010 | 09h46

Sete suspeitos estão presos, cinco deles apontados como executores e dois como mandantes - estes são Wanderley Aquino, ex-secretário municipal de Habitação, e um empresário de caça-níqueis. "Um grupo precisava de parcela de poder no município até para tirar vantagem", informa o delegado. "O prefeito bloqueou isso de alguma forma."

Tadros, 26 anos de experiência policial, prevê a conclusão do inquérito para o início de janeiro. Está convencido de que trilha o caminho certo. "Falta pouco para fechar o elo entre executores e mandantes." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.