Polícia atribui morte de prefeito a briga por poder

Para delegado, não há compromentimento político-partidário: 'o prefeito ou fechou uma torneira que estava aberta ou não deixou abrir'

Fausto Macedo / SÃO PAULO, O Estado de S.Paulo

28 Dezembro 2010 | 23h31

Briga por poder foi a motivação do assassinato do prefeito Braz Paschoalin (PSDB), de Jandira, segundo conclusão da polícia. "Não há comprometimento político-partidário, o que fica evidente é que o prefeito ou fechou uma torneira que estava aberta ou não deixou abrir. Só existem essas duas possibilidades", disse o delegado Zacarias Katzer Tadros, que investiga o caso. "Braz impediu alguém que queria ter acesso a alguma coisa ilícita, a valores do poder municipal."

 

Sete suspeitos estão presos, cinco deles apontados como executores e dois como mandantes – estes são Wanderley Aquino, ex-secretário municipal de Habitação, e um empresário de caça-níqueis. "Um grupo precisava de parcela de poder no município até para tirar vantagem", informa o delegado. "O prefeito bloqueou isso de alguma forma."

 

Tadros, 26 anos de experiência policial, prevê a conclusão do inquérito para o início de janeiro. Está convencido de que trilha o caminho certo. "Falta pouco para fechar o elo entre executores e mandantes."

 

Novas prisões podem ocorrer, de outros mandantes.

 

O delegado anota que sua missão não é investigar a conduta do prefeito, sobre quem recaíam suspeitas de irregularidades. "Estou investigando quem matou, o motivo, se houve paga e quem mandou matar", assevera o policial, do setor de homicídios.

 

O inquérito corria sob segredo. Na última quinta-feira, a requerimento da polícia e do Ministério Público, a Justiça afastou o sigilo dos autos. A polícia já tem provas de ligações do ex-secretário de Habitação com o crime organizado – seu advogado, o criminalista Mauro Otávio Nacif, rebate a suspeita. Ele sustenta enfaticamente a inocência de Aquino.

 

"Foi um crime de mando, não resta dúvida", reafirma o delegado, que também assumiu a investigação sobre outros dois crimes em Jandira, o assassinato de um vereador e o de um suplente de vereador.

 

"Vai ter que cessar essa briga por poder na cidade, por bem ou por mal", avisa Zacarias Tadros. "Essas pessoas que se aliam a políticos para obter alguma vantagem vão ter de parar ou mudar de praça correndo."

Mais conteúdo sobre:
Jandira crime homicídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.