1. Usuário
Assine o Estadão
assine

PMDB-RJ organiza ato em favor da candidatura de Aécio

LUCIANA NUNES LEAL - Agência Estado

10 Abril 2014 | 17h 57

Apesar do apoio do governador Luiz Fernando Pezão e do antecessor, Sérgio Cabral, à reeleição da presidente Dilma Rousseff, o PMDB-RJ organiza um ato público em favor da candidatura do tucano Aécio Neves, em maio. O presidente regional do partido, Jorge Picciani, disse que o anúncio formal da adesão a Aécio terá também a participação de outros partidos, como Solidariedade e PSD. "Vamos trabalhar para que Aécio tenha a maior aliança no Estado", diz Picciani.

O dirigente peemedebista também negocia com os tucanos uma aliança em torno da reeleição de Pezão, que até agora tem a promessa de apoio de 14 partidos. A maioria dos aliados é de pequenas legendas, mas que ajudarão o governador a ter o maior tempo de televisão na campanha, de pelo menos nove minutos. Embora digam que o interesse nacional está acima das eleições estaduais, parlamentares do PSDB-RJ resistem à coligação com o PMDB depois de fazerem oposição a Cabral durante os dois mandatos.

O PMDB-RJ retirou o apoio a Dilma no ano passado, em represália à decisão do PT de lançar candidatura própria ao governo com o senador Lindbergh Farias. No início deste ano, Picciani passou a trabalhar intensamente por Aécio. "Vamos fazer talvez o maior ato público antes da campanha, com todos os partidos que apoiam Aécio no Rio de Janeiro. Estará presente um grande contingente de deputados federais e estaduais, prefeitos, ex-prefeitos e principalmente os candidatos dos mais diferentes partidos. Vamos dar a vitória ao Aécio aqui", promete Picciani.

O presidente peemedebista diz que tem maioria no diretório estadual para aprovar na convenção estadual o apoio a Aécio. Picciani tem evitado discutir a sucessão presidencial com Cabral e Pezão, que já manifestaram apoio a Dilma em diversas ocasiões. "Sempre deixamos claro que o PMDB não aceitaria palanque duplo para a presidente Dilma no Rio e tivemos apoio unânime do PMDB nacional. Se o PT decide romper a aliança conosco, não existe reciprocidade. Vamos aprovar o apoio a Aécio com ampla margem", diz Picciani.

Vitorioso na briga para garantir a candidatura própria do PT, com aval do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Lindbergh enfrenta agora dificuldades para fechar alianças. Tem expectativa de receber apoio do PCdoB, depois que PSB anunciou apoio ao candidato do PROS a governador, deputado Miro Teixeira. O PDT, que também vinha negociando com Lindbergh, tende a ficar com Pezão. Embora tenha estimulado a candidatura do petista, Lula não participa da pré-campanha de Lindbergh, como faz com o candidato do PT ao governo de São Paulo, o ex-ministro Alexandre Padilha. Além de Lindbergh e Pezão, Dilma tem outros dois aliados na disputa pelo Palácio Guanabara: o ex-governador Anthony Garotinho (PR) e o senador Marcelo Crivella (PRB).

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo