1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

PMDB oficializa saída do governo da presidente Dilma

- Atualizado: 29 Março 2016 | 15h 57

Decisão foi tomada durante reunião rápida em Brasília

Reunião da Executiva Nacional do PMDB em que o partido decidiu deixar o governo 

Reunião da Executiva Nacional do PMDB em que o partido decidiu deixar o governo 

Em menos de cinco minutos, o PMDB aprovou há pouco, por aclamação, a moção que ratifica o rompimento do partido com o governo da presidente Dilma Rousseff (PT), com a recomendação de entrega imediata dos cargos no governo federal. No encontro, na Câmara dos Deputados, estavam presentes vários caciques do partido, incluindo o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que acatou o pedido de impeachment contra Dilma, avaliado por uma comissão de parlamentares. No entanto, o vice-presidente Michel Temer (PMDB) e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), não participaram da reunião.

Logo após abrir os trabalhos, o primeiro vice-presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), leu a moção do peemedebista baiano Geddel Vieira Lima, ex-ministro da Integração Nacional, e informou que havia um entendimento que ela fosse aprovada por aclamação e simbólica, o que ocorreu em seguida. Após a comemoração dos presentes, um grupo gritou, em coro, “Brasil, pra frente, Temer presidente” e Jucá emendou. “A partir de hoje, nessa reunião histórica, o PMDB se retira da base e ninguém no País está autorizado a exercer qualquer cargo federal em nome do PMDB”. Juca encerrou o encontro com um “Viva o Brasil” e membros do partido ainda tiveram tempo para entoar um “Fora PT”.

Quem são os ministros do PMDB da gestão Dilma
Andre Dusek/Estadão
Henrique Alves - Ministério do Turismo

Henrique Alves foi o primeiro peemedebista a abandonar o governo, após pedir demissão da pasta nesta segunda-feira

Apresentada pelo diretório estadual da Bahia, a moção que aprovou o desembarque do PMDB do governo pede a "imediata saída do partido da base de sustentação do governo Dilma Rousseff", com "imediata entrega de todos os cargos", mas não estabelece prazo para entrega desses postos.

Na moção, aprovada por aclamação em uma reunião que durou menos de cinco minutos, o partido defende o desembarque do governo Dilma Rousseff, elencando uma série de problemas. Entre eles, as crises "econômica, moral e política" que, na avaliação do diretório estadual baiano, o Brasil vive e as "escolhas erradas nas ações do governo federal".

A legenda também considera que, embora Michel Temer seja vice-presidente da República, o partido "nunca foi chamado para discutir soluções econômicas ou políticas para o País". No documento, a legenda cita ainda "escândalos de corrupção" que tiveram participação de integrantes do governo, sem especificar que escândalos são esses.

Os peemedebistas afirmam que a "permanência do PMDB na base do governo fomentará uma maior divisão do partido". Essa divisão ficou explícita na própria reunião de hoje. Peemedebistas da ala governista, como o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani, não participaram do encontro.

Na moção, o PMDB considera ainda que a manutenção do partido na base aliada do governo Dilma Rousseff vai "de encontro à pretensão" da legenda de lançar candidato próprio na eleição presidencial de 2018 e "principalmente, o anseio do povo brasileiro por mudanças urgentes na economia e política nacional". O partido não cita a palavra impeachment no texto.

"Solicitamos a imediata saída do PMDB da base de sustentação do governo federal com a entrega de todos os cargos em todas as esferas da administração pública federal", conclui o texto da moção aprovada. 

Leia íntegra da Moção

"Moção N 001/2016

A Sua Excelência o Senhor

Michel Temer

Presidente da Comissão Executiva Nacional do PMDB

Senhor Presidente,

Considerando que o Brasil sofre uma das mais graves crises econômica, moral e política de sua história;

Considerando que a crise é resultante, principalmente, de escolhas erradas nas ações do Governo Federal;

Considerando que o PMDB, embora tenha o Vice Presidente da República e formalmente participe da base do governo, nunca foi chamado para discutir soluções econômicas ou políticas para o país;

Considerando as graves denúncias de participação de integrantes do Governo Federal em escândalos de corrupção;

Considerando que as bases e a militância do PMDB já não concordam integrar o governo da Presidente Dilma Rousseff;

Considerando que a permanência do PMDB na base do governo fomentará uma maior divisão no partido;

Considerando que a manutenção do PMDB no governo vai de encontro à pretensão do partido de lançar candidato próprio na eleição presidencial de 2018;

Considerando, principalmente, o anseio do povo brasileiro por mudanças urgentes na economia e na política nacional;

Solicitamos a imediata saída do PMDB da base de sustentação do Governo Federal, com a entrega de todos os cargos em todas as esferas da Administração Pública Federal.

Delegados do Diretório Estadual do PMDB da Bahia."

Conheça os artistas que são a favor e contra a saída de Dilma
Werther Santana/Estadão
Regina Duarte - Favorável ao impeachment

Simpatizante do PSDB, a atriz se tornou notória no mundo político quando participou de campanha publicitária a favor de José Serra em 2002. Na época, ela disse "ter medo" de Lula na Presidência. Favorável aos ruralistas na questão de demarcação de terras indígenas, a atriz faz postagens constantes em sua conta na internet que são contrárias ao governo petista.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX