Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Planalto vê crise entre Poderes e vai negociar com Viana

Preocupação maior do governo é o cumprimento do calendário que prevê votação da PEC do Teto no dia 13; Jucá irá procurar o petista

Tânia MonteiroVera Rosa / BRASÍLIA, Impresso

05 Dezembro 2016 | 21h50

O Palácio do Planalto avaliou nesta segunda-feira, 5,  que a liminar concedida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello afastando imediatamente o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) da presidência do Senado pode agravar a crise política entre os Poderes. A maior preocupação do presidente Michel Temer, que foi surpreendido com a decisão, é que não seja cumprido o calendário que prevê a votação do segundo turno da PEC do Teto, que limita os gastos públicos, no próximo dia 13.

Além disso, auxiliares diretos do presidente avaliam que, se a liminar não for derrubada, pode haver prejuízo ainda em outras áreas já que o vice-presidente do Senado, Jorge Viana, é do PT, partido de oposição ao Planalto, que poderá aproveitar o momento para, não só postergar a votação da PEC, como colocar na agenda do Congresso pautas bombas que prejudiquem o governo. Para um auxiliar palaciano, “nada impede que o petista mude a data ou a ideia do que deve ser apreciado pelo plenário”.

O senador Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo, soube da notícia pela imprensa e ficou surpreso. Jucá tentou amenizar o problema, justificando que “há um acordo entre os partidos” e que “qualquer um que assumir” a presidência do Senado terá de cumprir o rito estabelecido. Mas no Planalto a avaliação é que o PT, neste momento, não teria motivo para facilitar a vida de Temer.

Data. A ideia é que Temer peça a Jucá para procurar Jorge Viana para conversar e evitar que ele mude a data de votação do segundo turno da PEC do Teto.

A cadeira de Renan ficou vazia durante a reunião de Temer no Planalto com líderes de partidos da base aliada na Câmara e no Senado para tratar da reforma da Previdência. O encontro, marcado para 17 horas, começou 50 minutos depois porque todos estavam à espera do presidente do Senado. Temer decidiu dar início à reunião, mas, logo na abertura, disse que o aliado não demoraria. “Ele já está chegando, vindo de Alagoas”, afirmou o presidente.

O presidente tinha acabado de chegar ao seu gabinete no terceiro andar no Planalto, depois da reunião, quando foi avisado da decisão de Marco Aurélio Mello. A decisão foi recebida por Temer e auxiliares com “surpresa total”, conforme relatos. A liminar foi concedida em resposta a uma ação ajuizada pela Rede, que pede que réus não possam estar na linha sucessória da Presidência da República.

Para o Planalto, “é o pior dos mundos, um risco sério”, comentou um interlocutor do presidente, preocupado com que comportamento adotará o vice-presidente do Senado.

A avaliação no Executivo é que se “já era ruim com Renan, muito pior será sem ele”. De acordo com um assessor palaciano, além do problema de cumprimento do calendário previsto pelo governo com o senador alagoano, há o risco de uma crise entre Poderes.

O governo não contava com essa possibilidade e já havia ficado preocupado ao ser informado da possibilidade de Marco Aurélio Mello avisar que tomaria esta decisão ainda hoje.

Surpresa. Na Câmara, deputados receberam com surpresa a decisão de Marco Aurélio. “Depois da excepcionalidade do voto de Teori (Zavascki) no caso (Eduardo) Cunha, se criou uma jurisprudência”, comentou o líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR). “Prejudica o governo, é natural (...) Renan é uma peça importante que sai do xadrez”, observou o líder do PR, deputado Aelton Freitas (MG).

Os parlamentares lembram que a pauta relevante para o governo, que é a reforma da Previdência, começa a tramitar pela Câmara. No Senado, só resta aguardar a votação do segundo turno da PEC do Teto, que limita os gastos da União. Com o petista Jorge Viana assumindo o comando do Senado, os deputados preveem que, pelo perfil do senador, não haverá grandes ameaças ao Palácio do Planalto. “Ele não será um Eduardo Cunha da vida não”, apostou Bueno.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.