1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Planalto negocia pasta para grupo de Picciani

- Atualizado: 19 Fevereiro 2016 | 07h 51

Governo pretende oferecer ao líder do PMDB na Câmara a indicação para a Secretaria de Aviação Civil: Mauro Lopes (MG) é o favorito

Após a vitória sobre o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o Palácio do Planalto indicou ao líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ), que retomará as negociações para que o parlamentar indique o novo ministro da Aviação Civil. A presidente Dilma Rousseff deve encontrar o deputado fluminense na próxima semana para definir o nome, que deve sair da bancada do partido de Minas Gerais. O favorito é Mauro Lopes, secretário-geral da legenda.

Por 37 votos a 30, e dois votos em branco, Picciani derrotou na quarta-feira o candidato de Cunha na eleição para líder do PMDB na Câmara, Hugo Motta (PB)

Por 37 votos a 30, e dois votos em branco, Picciani derrotou na quarta-feira o candidato de Cunha na eleição para líder do PMDB na Câmara, Hugo Motta (PB)

Por 37 votos a 30, e dois votos em branco, Picciani derrotou na quarta-feira o candidato de Cunha na eleição para líder do PMDB na Câmara, Hugo Motta (PB), em uma eleição que o Planalto entrou com força. Chegou até a liberar o ministro da Saúde, Marcelo Castro, para retomar o cargo na Casa e votar em Picciani. O resultado foi considerado um enfraquecimento da ala pró-impeachment e do próprio Cunha, que enfrenta um processo de cassação.

Ontem, a estratégia do governo foi de fidelizar a ala vitoriosa e recompor com os derrotados. O ministro Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) procurou Motta para tentar mantê-lo próximo ao governo. Ao elogiá-lo pela postura na disputa, disse esperar que uma maior parcela do PMDB ajude Dilma a buscar soluções para a crise.

Disse ainda estar aberto a manter a relação de proximidade estabelecida com Motta nas últimas semanas e reforçou que respeita as divergências de parte da bancada, mas que gostaria que buscassem pontos de convergência. O gesto foi visto como uma forma de reaproximação do governo com a ala peemedebista adversária do Planalto e uma sondagem sobre como o grupo vai lidar com Picciani.

Para Berzoini, o momento é de fazer com que a maior parte possível do PMDB se alinhe ao governo para que o partido ajude a sair deste momento de dificuldades da economia. O Planalto sabe que não conseguirá trazer para o seu lado os 30 deputados que votaram em Motta até porque, historicamente, o PMDB é um partido dividido. Mas a ideia é que quanto mais deputados puderem vir para o lado do governo, melhor.

‘Observação’. Até mesmo a ala pró-impeachment ensaia uma trégua com Picciani. O grupo diz que, por enquanto, pretende observar seus próximos passos e ver o que restará do PMDB na Casa, em especial após a janela de 30 dias para troca partidária. A palavra de ordem entre os opositores de Picciani é aguardar um gesto efetivo de reconciliação. Na avaliação do grupo, o líder precisa se conscientizar de que há um grupo significativo de deputados com posição diferente da dele em relação ao governo. “O momento é de observação”, disse Carlos Marun (PMDB-MS).

Articulador da campanha de Motta, o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) acredita que, além de observar os passos de Picciani, é preciso acompanhar os desdobramentos do julgamento dos embargos de declaração do rito do impeachment pelo Supremo Tribunal Federal e o fim do prazo da troca de partido. Só assim terão uma avaliação mais precisa da posição de Picciani em seu segundo ano de liderança. A expectativa é que pelo menos seis parlamentares deixem a legenda.

Poucas horas após a vitória de Picciani, o grupo de Hugo Motta já tinha conseguido mapear quem traiu a ala pró-impeachment. Eles acreditam que os “traidores” saíram das bancadas da Paraíba (Estado de Motta), do Tocantins, do Maranhão, do Ceará, do Paraná, de Goiás e de Rondônia.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX