1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Planalto já admite utilizar reservas internacionais

- Atualizado: 15 Março 2016 | 07h 31

Com a chance de Lula virar ministro, governo avalia abater a dívida pública com os depósitos em moeda estrangeira

Brasília - No momento em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está a um passo de virar ministro, o governo começa a avaliar o uso de reservas internacionais para abater a dívida pública federal. Embora a presidente Dilma Rousseff descarte uma guinada na política econômica, como quer a cúpula do PT, a possível entrada de Lula na equipe provocará mudanças nessa seara.

“Essa perspectiva de queima de reserva pra investimento está descartada. Se for o caminho, será para pagar dívida, há uma reflexão sobre isso, mas nenhuma decisão a respeito”, disse o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner.

A cúpula do PT e Lula insistem na necessidade de o governo usar um terço dos US$ 372 bilhões das reservas internacionais para a criação de um Fundo Nacional de Desenvolvimento e Emprego. A proposta consta no Programa Nacional de Emergência aprovado pelo Diretório Nacional do partido no dia 26 de fevereiro, mas Dilma e o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, sempre resistiram à ideia.

Na noite de ontem, deputados do PT se reuniram com Wagner e pediram mudanças na política econômica. A avaliação dos petistas é de que somente um novo rumo na economia, com liberação de crédito para incentivar o mercado de consumo de massas, salvará Dilma do impeachment. O PT também quer que o governo desista da proposta de reforma da Previdência.

O Palácio do Planalto já dá sinais de que vai arquivar o plano, por uma questão de sobrevivência política. “Nós não vamos arredar pé dessa pauta de mudança da política econômica”, ressaltou ontem o deputado Vicente Cândido (PT-SP), um dos parlamentares que estiveram com Wagner.

O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, afirmou ao Estado que a economia já começa a dar sinais de reação. “Vamos mostrar que essa ideia de que o País está parado é falsa”, declarou.

Embora os protestos de domingo tenham escancarado o mal-estar com a corrupção no País, Lula e dirigentes do PT argumentam que a situação de Dilma só chegou a esse ponto por causa da forte recessão e da queda no emprego. Com esse diagnóstico, o PT tentará, mais uma vez, fazer pressão para mudanças.

Tudo está sendo planejado no Planalto para fazer o ex-presidente desarmar o impeachment de Dilma. “Impeachment não é remédio nem para crise econômica nem para impopularidade”, argumentou Wagner.

O chefe da Casa Civil disse, ainda, que a expectativa é de que até o dia 30 seja concluída renegociação da dívida dos Estados e municípios. “É para dar fôlego lá na ponta”, afirmou ele, ao observar que o governo pretende dar prosseguimento a obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), com objetivo de aumentar o emprego. / V.R. e T.M.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX